Na Austrália, fumaça atrapalha resgates e número de mortos sobe

Até a manhã desta segunda-feira, foram confirmadas 25 mortes em decorrência dos incêndios que acontecem no país.

Autoridades da Austrália aproveitaram as condições climáticas melhores nesta segunda-feira (6) para reabrir estradas que estavam bloqueadas por incêndios e remover pessoas para áreas mais seguras. Apesar disso, uma fumaça desacelerou resgates, e centenas de pessoas continuam isoladas.

As queimadas atingiram mais de 8 milhões de hectares de terras pelo país, uma área do tamanho da Áustria, destruíram milhares de prédios e deixaram cidades sem eletricidade e cobertura de telefonia móvel. Até a manhã desta segunda-feira, 25 mortes haviam sido causadas.

Nesta segunda, a polícia confirmou a morte de um homem de 71 anos que estava desaparecido desde 31 de dezembro na costa sul do estado de New South Wales.

Um segundo dia de chuvas leves e ventos levou algum alívio ao fogo que consumiu parte de dois estados durante o fim de semana, mas as autoridades avisaram que as condições climáticas perigosas devem voltar nesta semana.

Fumaça impediu retirada de pessoas

O primeiro-ministro estadual de Victoria, Daniel Andrews, disse que cerca de 400 pessoas foram retiradas via aérea no domingo (5) da cidade de Mallacoota, um balneário.

“Nós tínhamos planos de tirar via aérea outros 300, mas a fumaça impediu”, ele disse.

Scott Morrison, o primeiro-ministro, foi criticado pelos seus oponentes que dizem que o governo fracassou em combater a mudança climática. Ele anunciou um plano de US$ 1,4 bilhão (cerca de R$ 5,69 bilhões) para uma agência nacional de recuperação do incêndio florestal.

“O que priorizamos é o custo humano e os custos de reconstrução das vidas das pessoas”, disse Morrison.

Ele disse que cerca de 4 mil cabeças de gado e ovelhas morreram nos incêndios, assim como um número indefinido de animais selvagens.

Incêndios mais cedo

A época de incêndios começou mais cedo neste ano, depois de uma seca que durou três anos e que deixou as florestas do país ressequidas.

A Austrália vive um dos piores incêndios florestais dos últimos anos, desde setembro de 2019. O fenômeno é natural e é causado pela combinação de temperaturas superiores a 40º C e uma quantidade insuficiente de chuva, que deixam a vegetação extremamente seca.

Os ventos fortes que são típicos dessa época do ano agravam a situação, espalhando as chamas por vários quilômetros.

Esse fenômeno natural das queimadas ocorre todos os anos na Austrália, entre o final da primavera, no mês de novembro, e o início do verão, em dezembro. Porém, em 2019, os incêndios começaram antes do previsto, e foram mais violentos. A explicação está nas temperaturas que ultrapassam os 44º C.

Veja alguns dos principais acontecimentos:

  • A força de segurança da Nova Zelândia disse que três helicópteros foram enviados para ajudar, e deve mandar mais dois nos próximos dias;
  • Não houve avisos de emergência nos estados atingidos pelo fogo na segunda-feira (6), depois que o tempo virou. O governo decretou estado de alerta. Duas pessoas estavam desaparecidas, enquanto 146 queimadas atingiam o estado de New South Wales;
  • O estado de Victoria tinha 39 queimadas, com 13 alertas de atenção. Todos os desaparecidos foram rastreados;
  • Cerca de 67 mil pessoas deixaram ou foram retiradas de áreas atingidas pelo fogo no estado de Victoria;
  • Victoria criou uma agência de recuperação de queimadas;
  • Os bombeiros disseram que a chuva fraca levou algum alívio;
  • A distribuidora de energia do estado de New Wouth Wales disse que a rede sofreu perdas e que 24 mil clientes ficaram sem energia;
  • As seguradoras receberam quase 6 mil protocolos de perdas ligadas aos incêndios desde novembro;
  • As perdas são estimadas em 375 milhões de dólares australianos (cerca de R$ 1,06 bilhão);
  • O ator Russell Crowe faltou à cerimônia do Globo de Ouro. Ele havia vencido um prêmio por interpretar um executivo de TV na série “The Loudest Voice in the Room”. A apresentadora Jennifer Aniston disse que Crowe ficou na Austrália para proteger sua família das queimadas e leu declarações em que ele afirmava que os incêndios são uma consequência das mudanças climáticas;
  • A cantora Kylie Minogue anunciou a doação de $ 500 mil (ela não especificou se são dólares australianos ou americanos, que equivaleriam a R$ 1,413 milhão e R$ 2,03 milhões, respectivamente). O dinheiro vai para esforços imediatos para combater o fogo e o apoio necessário para isso. “Grande ou pequeno, perto ou longe, qualquer apoio vai ajudar aqueles afetadas pelas queimadas devastadoras”, ela escreveu em uma rede social.

FONTE: Informações | g1.globo.com

0 Comentários

    Deixe um Comentário

    Login

    Bem vindo! Faça login na sua conta

    Lembre de mim Perdeu sua senha?

    Lost Password