GP da Bélgica: “Pantera Negra” Hamilton bate recorde, faz 93ª pole e presta tributo a ator morto

Hexacampeão e líder do campeonato aniquila concorrência em Spa-Francorchamps e dedica feito a Chadwick Boseman, morto neste sábado; Bottas fica em segundo, e Ferrari sofre.

Lewis Hamilton deu mais um show de pilotagem neste sábado e conquistou a pole position do GP da Bélgica ao quebrar o recorde da pista de Spa-Francorchamps. Na etapa decisiva da classificação, o hexacampeão e líder do atual campeonato fez 1m41s252 na sua volta mais rápida e garantiu a 93ª pole na F1, enquanto o segundo colocado Valtteri Bottas, seu companheiro na equipe Mercedes, ficou 0s511 atrás.

Após conquistar a pole, Hamilton prestou uma homenagem ao ator americano Chadwick Boseman, que morreu na sexta-feira, aos 42 anos. Imediatamente, o inglês dedicou a pole ao ator pelo rádio e, ao sair do carro, fez o símbolo do “Pantera Negra”, personagem interpretado pelo americano no cinema e que também marca a luta antirracista encampada pelo hexacampeão nos últimos meses.

– Acordei com a triste notícia da morte de Chadwick. Essa notícia realmente, realmente me quebrou. Ele era uma luz brilhante. Wakanda para sempre. Quero apenas ir lá amanhã e pilotar pela perfeição – disse o piloto da Mercedes.

Max Verstappen voltou a ser o piloto mais próximo das Mercedes e ficou em terceiro no grid, à frente de Daniel Ricciardo, que obteve a melhor posição da Renault num grid em 2020. Completaram os dez primeiros, da quinta à décima posições, Alexander Albon (RBR), Esteban Ocon (Renault), Carlos Sainz Jr. (McLaren), Sergio Pérez (Racing Point), Lance Stroll (Racing Point) e Lando Norris (McLaren).

A Ferrari voltou a ter um péssimo desempenho e ficou fora do Q3 com seus dois pilotos. Os dois correram sério risco de sequer avançar do Q1 para o Q2, e no fim, Charles Leclerc e Sebastian Vettel vão dividir a sétima fila, em 13º e 14º lugares, respectivamente.

Grid de largada

O que você precisa saber?

– Pole position de número 93 de Lewis Hamilton, aumentando o próprio recorde.

– Desde o GP dos Estados Unidos de 2015, a Ferrari não ficava fora do Q3 com os dois carros.

– Quarto lugar de Daniel Ricciardo é o melhor grid da Renault na temporada 2020.

Q1 – 18 minutos e cinco eliminados

Verstappen começou o Q1 fazendo 1m43s408, mas Sainz foi 0s086 mais veloz e tomou o primeiro lugar. Ricciardo foi ainda melhor do que os dois, com 1m43s309. Mas a Mercedes veio em seguida e estraçalhou a concorrência, com Hamilton cravando 1m42s323, 0s211 à frente de Bottas. Logo depois, Max melhorou para 1m43s197 e subiu para terceiro.

Antes da última série de tentavivas no Q1, houve um replay do que aconteceu em Monza, no ano passado, quando os pilotos formaram uma fila indiana enquanto tentavam dar espaço aos adversários para não pegar tráfego na volta cronometrada. Pelo menos dessa vez não houve prejuízo para ninguém.

O fim do Q1 foi marcado pelo desespero da Ferrari, que correu sério risco de ficar fora do Q2 com seus dois carros. Mas na última tentativa, Leclerc estabeleceu 1m43s656 e conseguiu o 15º lugar, enquanto Vettel, que tinha sido o último colocado no terceiro treino livre, cravou 1m43s567 e ainda ficou em 13º. Um desempenho um pouco menos vexatório.

Sorte de Leclerc que Kevin Magnussen errou na sua última volta e ficou com a última posição no grid. Também foram eliminados Romain Grosjean, companheiro de equipe do dinamarquês na Haas, os dois pilotos da Alfa Romeo, Antonio Giovinazzi e Kimi Raikkonen, e Nicholas Latifi, da Williams.

Eliminados

  • 16º KIMI RAIKKONEN (ALFA ROMEO)
  • 17º ROMAIN GROSJEAN (HAAS)
  • 18º ANTONIO GIOVINAZZI (ALFA ROMEO)
  • 19º NICHOLAS LATIFI (WILLIAMS)
  • 20º KEVIN MAGNUSSEN (HAAS)

Q2 – 15 minutos e cinco eliminados

A Mercedes de cara mostrou força no começo do Q2, com Hamilton cravando o melhor tempo do fim de semana até então, com 1m42s014, enquanto Bottas ficou 0s112 atrás. Verstappen só conseguiu uma volta 0s4 acima em relação a Hamilton. Todos os três fizeram suas melhores voltas com o pneu médio e vão largar com esses compostos na prova deste domingo, por regulamento.

Na parte inicial do treino, os dois pilotos da equipe Renault, a exemplo dos treinos livres, mostraram bom desempenho, com Ricciardo à frente de Ocon, em quarto e quinto respectivamente. No fim, Sainz se colocou em quarto, com pneus macios, mas depois caiu para quinto quando Albon, também com compostos macios, subiu para terceiro e ultrapassou Verstappen.

A Ferrari, como se esperava, acabou eliminada com os dois carros, com Leclerc em 13º, logo à frente de Vettel. Também foram eliminados os dois pilotos da Alpha Tauri e George Russell, com a Williams.

Eliminados

  • 11º DANIIL KVYAT (ALPHATAURI)
  • 12º PIERRE GASLY (ALPHATAURI
  • 13º CHARLES LECLERC (FERRARI)
  • 14º SEBASTIAN VETTEL (FERRARI)
  • 15º GEORGE RUSSELL (WILLIAMS)

Q3 – dez minutos e disputa pela pole

Na hora mais importante, Hamilton voltou a ter uma performance absurda e estabeleceu a volta mais rápida de todos os tempos em Spa-Francorchamps, com 1m41s451, com Bottas conseguindo apenas 1m42s029. Ricciardo levou a Renault ao terceiro lugar, com 1m42s061, 0s019 à frente de Verstappen.

Na última tentativa, Hamilton melhorou ainda mais seu tempo e baixou para 1m41s252. Bottas também melhorou mas ainda ficou mais de meio segundo atrás, enquanto Verstappen conseguiu tirar o terceiro lugar de Ricciardo.

FONTE: Informações | globoesporte.globo.com

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password