Polícia prende trio suspeito de furtar cerca de 800 peças de joalheria em shopping de Rio Preto

Crime foi registrado em 13 de dezembro de 2020. Ladrões foram identificados e presos depois de meses de investigação. Polícia acredita que grupo é responsável por diversos furtos, inclusive em outras cidades.

A Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) prendeu um trio suspeito de integrar uma quadrilha que furtou cerca de 800 peças de uma joalheria. O crime foi registrado em 13 de dezembro de 2020, dentro de um shopping, em São José do Rio Preto (SP). Os criminosos foram localizados na região de Brasília (DF).

De acordo com a Polícia Civil, equipes analisaram as imagens de câmeras de segurança e concluíram que quatro ladrões agiram no furto a joalheria. Enquanto um adolescente agiu diretamente no crime, outros três exerceram outras funções.

Além disso, as equipes descobriram que a quadrilha também participou de uma série de furtos a centros em outras cidades do Brasil, incluindo Águas Lindas (GO), Taguatinga (DF), Valparaíso do Goiás (GO), São Bernardo do Campo, Jundiaí, Piracicaba e Mogi-Guaçu (SP).

Depois de aprofundar as investigações, policiais de Rio Preto chegaram aos nomes dos suspeitos, que eram moradores de Goiás, no entorno da Capital Federal. O delegado que preside inquérito, então, representou à Justiça pela prisão temporária do trio.

Com as informações e o pedido de prisão expedido pela vara competente, equipes foram para a região de Brasília, onde realizaram diligências e conseguiram encontrar os membros da quadrilha na semana passada.

Dois dos suspeitos eram moradores da cidade de Santo Antônio do Descoberto (GO). Eles foram localizados e presos. O outro criminoso tentou fugir, indo para um hotel em Brasília, mas acabou sendo localizado pela equipe e também foi detido. O menor que participou da ação já foi identificado, mas , de acordo com a polícia, membros de outro braço criminoso esconderam o rapaz.

Ainda segundo a Polícia Civil, os autores, considerados a espinha dorsal da modalidade criminal, ou seja, os mentores intelectuais dos crimes, foram trazidos para Rio Preto, onde permanecem à disposição da Justiça.

Por fim, as investigações também apontaram que os ladrões são especializados e em todos casos agiam em shoppings contra joalherias e lojas de telefonia celular, causando elevado prejuízo para as vítimas. As diligências prosseguem para identificar eventuais coparticipantes.

À época do crime, a joalheira afirmou que toda mercadoria da loja foi furtada.

“É lamentável. É doloroso. É assustador como uma atitude destas possa vir de outros seres humanos em um ano que tanto nos foi roubado”, disse o empresário Walter Carrazzone Jr.

G1

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password