ROUBO EM ÁLVARES FLORENCE: namorada e comparsas condenados pela Justiça

O crime é perverso. Até mesmo quem desfruta da sua confiança, pode ser um traidor um dia. E foi isso que aconteceu com um casal de Álvares Florence. A ex-amiga deles se envolveu com bandido e planejou um roubo de joias na casa deles, contando com a ajuda de uma terceira pessoa.

Mas, a Justiça pode tardar, mas não falha. Os três envolvidos foram condenados a penas de até mais de 16 anos de prisão. O roubo foi praticado na ‘saidinha’ de Natal de 2019, após planejamento dentro da cela. Uma carta apreendida pela POLÍCIA comprovou o envolvimento da votuporanguense que na época morava em Parisi.

Os presidiários naturais de Santo André e Jacarei cumpriam pena em Riolândia e se ‘associaram’ para o crime contra a vendedora de joias. Os bandidos invadiram a casa dela armados e levaram as joias e objetos de valor.

O preso mentor do crime pegou mais de 16 anos de cadeia, a “namorada” pegou 13,4 anos e o comparsa levou 14,1 de pena atrás das grades. Cabe recurso ao julgamento.

A HISTÓRIA:

Investigadores da DIG de Votuporanga prenderam uma mulher de Parisi que ajudou em um roubo passando informações e levando o bandido até a casa de uma vendedora de joias de Álvares Florence para os ladrões.

O crime foi concretizado em 21/12/2019. Identificada como J.A.L., de 45 anos de idade, acabou confessando aos Policiais Civis que já conhecia a vendedora de joias (vítima) e que forneceu a um preso, com quem estava se “relacionando” as informações da vítima.

Esse preso, M.A.C., 35 anos, passou essas informações ao colega C.R.C.S., 32 anos, também preso, o qual na ocasião do fato, gozava de “saidinha” de Natal e se dirigiu a casa da vítima, juntamente com a mulher de Parisi, onde adentrou a residência e mediante o uso de uma arma de fogo, efetuou o roubo de diversas joias.

Após o assalto, retornaram pra Parisi, e C.R.C.S. teria viajado de ônibus com parte das joias, enquanto outra parte ficou com J.A.L., em Parisi.

Nas buscas na casa da ladra os investigadores localizaram as joias que ficaram em sua posse, as quais foram devidamente apreendidas e restituídas à vítima, que prontamente as reconheceu.

O delegado pediu as prisões temporárias de J.A.L., C.R.C.S. e M.A.C., sendo o mandado em desfavor de J.A.L. cumprido pelos policiais da DIG no último sábado (28), sendo a presa encaminhada à cadeia pública de Nhandeara. Já as prisões temporárias em desfavor de C.R.C.S e M.A.C., foram devidamente cumpridos nos presídios onde já cumprem suas penas de condenações anteriores e para onde retornaram após as “saidinhas” de Natal. As investigações prosseguem visando o pleno esclarecimento do fato.

FONTE: Votutudo:

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password