Profissionais da Assistência Social lutam e defendem a dignidade humana e o acesso aos direitos sociais

No dia do Assistente Social, comemorado em 15 de maio, SEASO presta homenagem aos trabalhadores que estão nos CRAS, CREAS e outras unidades.

Dia 15 de maio é comemorado o Dia do Assistente Social. A data serve para celebrar o profissional de Serviço Social, que luta por melhores condições de vida, saúde e trabalho das pessoas em vulnerabilidade.

Existem assistentes sociais atuando em empresas, indústrias, nos campos da saúde e educação, entidades, etc. Entretanto, o maior local que emprega em Votuporanga é a Secretaria de Assistência Social, por oferecer uma ampla rede de serviços.

O Secretário de Assistência Social, Thiago Augusto Francisco, disse que estes profissionais contribuem não somente no combate à desigualdade, mas também na construção de uma sociedade justa e igualitária. “Os assistentes sociais são de extrema importância, pois promovem e garantem direitos das populações mais vulneráveis”, destacou.

Pela Secretaria de Assistência Social, eles atuam nos quatro CRAS (Centros de Referência de Assistência Social), CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social), Centros de Convivência do Idoso (CCI), Centro Dia do Idoso (CDI), Acolhimento, Programa Criança Feliz e CRAM (Centro de Referência em Atendimento à Mulher).

Amor pela profissão

Ser assistente social significa comprometer-se com a garantia dos direitos fundamentais da população mais desfavorecida e trabalhar pela cidadania e redução das desigualdades.

Silvia Maria Gomes está nos benefícios eventuais na Secretaria de Assistência Social. Em sua opinião, o maior desafio da profissão é despertar nas pessoas o interesse em buscar por seus direitos. “Há diversos serviços disponíveis, porém, quem deveria utilizá-los não os buscam”, avalia.

Para Silvia, ser assistente social não é só ter vontade de ajudar ao próximo. “Infelizmente, as pessoas ainda têm essa visão que o assistente social faz um trabalho de caridade, mas é preciso entender que vai além disso. Não é o suficiente. Creio que nossa profissão deveria ser mais valorizada para superarmos esses desafios”, disse.

Kelli Regina Kamikawachi está no CRAM. Ela analisa que o profissional deve sempre se atualizar quanto às constantes mudanças nas leis e na sociedade. “Somos essenciais na luta contra toda forma de discriminação e injustiça social, que ainda é tão presente em todo o mundo”, disse.

Denise Elaine de Oliveira é coordenadora do CRAS Leste. Para ela, é positivo e gratificante poder contribuir para a implementação e execução da política social, além de poder atuar e estabelecer vínculo com os usuários nas suas relações sociais, principalmente quando superam as situações de vulnerabilidade, desigualdades sociais e violências.

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password