Polícia investiga se alvos de operação contra pornografia infantil abusavam de vítimas

Nomeada de Black Dolphin, ação foi coordenada pela Polícia Civil de São José do Rio Preto (SP) e deflagrada em diversas cidades do Brasil. Mais de 50 pessoas foram presas, incluindo o homem apontado como chefe da quadrilha.

A Polícia Civil de São José do Rio Preto (SP) informou que vai continuar investigando os principais alvos da Operação Black Dolphin, deflagrada nesta quarta-feira (25), contra a pornografia e exploração infantil, para tentar descobrir se os suspeitos também abusavam das vítimas.

Em mais de 12 horas, foram cumpridos 222 mandados de busca e apreensão e cinco de prisão em 85 cidades de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro.

De acordo com balanço da Polícia Civil de Rio Preto, responsável por coordenar a ação, 53 pessoas foram presas em todo o Brasil. Entre elas, um técnico de informática, de 43 anos, apontado pela investigação como chefe de uma quadrilha especializada em compartilhar pornografia infantil na deep web.

O suspeito foi preso no bairro Higienópolis, em Rio Preto, com mais de 200 mil arquivos. No entanto, prestou depoimento na Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic), pagou fiança arbitrada em R$ 5 mil e foi liberado para responder em liberdade pelo crime.

Na região de Rio Preto, foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão em Bálsamo, Monte Aprazível, Icém e Nova Granada (SP).

Outras duas pessoas foram presas em Rio Preto e Bálsamo. Todos os mandados foram expedidos pela Vara da Infância e Juventude. A pena para os crimes de armazenar, disponibilizar, produzir e vender material de pornografia infantil variam entre quatro e oito anos.

Já em Araçatuba (SP), dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos, um no bairro Vila Aeronáutica e um no bairro São João. Policiais apreenderam computadores e pen drivers, mas ninguém foi preso.

“Consideramos que a operação, até agora, foi bem sucedida. Contudo, a investigação não vai parar. Ela prossegue no sentido de aprofundar e averiguar se os alvos também cometiam abuso físico”, afirmou Alexandre Del Nero Arid, Coordenador de Inteligência da Polícia Civil de Rio Preto.

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password