PM realiza Seminário Internacional de Polícia Comunitária 2019

Corporação paulista é referência e já capacitou 689 policiais militares de São Paulo e 223 de outros Estados, de 2011 a 2019.

A Polícia Militar realiza, nesta quarta-feira (9), o Seminário Internacional de Polícia Comunitária 2019. O secretário da Segurança Pública, general João Camilo Pires de Campos, participou, nesta manhã, da abertura das atividades, realizadas no Teatro das Artes, na zona oeste da Capital.

“Este seminário já é histórico antes mesmo de começar, é exemplo e modelo. A Segurança Pública nasce onde as pessoas moram, daí a importância do trabalho comunitário e do engrandecimento e valorização dessa atividade”, ressaltou o titular da pasta.

O simpósio é destinado à comunidade e aos profissionais de polícia com o objetivo de promover a capacitação e difusão do conhecimento para os colaboradores envolvidos na execução e fiscalização das atividades de Polícia Comunitária.

O modelo de policiamento já é uma realidade do Estado, que teve a Polícia Comunitária implantada, oficialmente, em 1997, com a criação de uma comissão estadual e da inauguração do sistema Koban (do Japão) na PM por meio dos Postos Comunitários de Segurança (PCS).

No ano seguinte, os PCS passaram a se chamar Bases Comunitárias de Segurança (BCS) e, em 1999, os Posto Policiais-Militares, usados como residências de colaboradores com familiares, foram nomeados como Bases Comunitárias de Segurança Distrital (equivalentes ao Chuzaisho japonês).

“Segurança Pública é proteger, reprimir e salvar. Nos três verbos precisamos estar juntos, polícia e comunidade. E eu tenho visto inúmeras ações que mostram essa efetividade”, exemplificou o general referindo-se aos Núcleos de Mediação de Conflitos, Proerd e programa Vizinhança Solidária.

Referência

Hoje em dia, a Polícia Militar de São Paulo é referência nacional e internacional em Polícia Comunitária. Entre os motivos para a conquista, estão as boas práticas, que têm permitido queda nos índices criminais, em especial da taxa de homicídios, além da produção de conhecimento e intercâmbio com outros Estados brasileiros e países.

Todo esse esforço fez o Japão eleger o território paulista como Estado-Modelo no Projeto Nacional para o Estabelecimento de um Sistema Contínuo e Autossuficiente da Polícia Comunitária nas Instituições Brasileiras.

Polícia Comunitária em números

A Polícia Militar mantém sua atenção na formação e especialização de seus integrantes, contando com o tema “Polícia Comunitária” na grade curricular dos seus cursos superiores de Soldado, Sargento e de Oficiais.

De 2011 a 2019, a PM capacitou 689 policiais militares de São Paulo e 223 de outros Estados. Além disso, a Instituição tem investido para manter a estratégia evoluindo e, assim, atender com qualidade a população.

Prova disso é o cenário atual, onde o Estado de São Paulo conta com cerca de 400 Bases Comunitárias Móveis, além de outras fixas, como as principais: Rotary, Gumercindo, Panamericano, Jardim Maia, Jardim ngela, Ranieri, Marsilac, Belém, Vila Galvão, Remédios, Boiçucanga, Campo Grande, João Teodoro e Nova Aliança.

Medalha do Mérito Comunitário

Na ocasião, o general Campos recebeu a Medalha do Mérito Comunitário. A condecoração foi instituída na PMESP em setembro de 2000 para homenagear personalidades que, por atuações excepcionais, tenham se destacado em ações comunitárias.

“Quem recebeu essa medalha [entregue a ele na data] foram os soldados das patrulhinhas que estão à frente do combate nas ruas, os escrivães, delegados, peritos, legistas e todos aqueles que estão sempre somando com a sociedade”, concluiu o general Campos. Outras 48 pessoas também foram agraciadas.

FONTE: Informações | Portal do Governo de SP 

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password

Você não pode copiar o conteúdo desta página