Empates levam aproveitamento de Tite abaixo de 80% pela primeira vez em três anos de Seleção

Fragilidade incomum no sistema defensivo marca pior sequência da equipe brasileira sob comando do treinador. Renan Lodi ganha pontos em jogos com poucas experiências em Singapura.

A seleção brasileira sai de Singapura com poucos pontos positivos depois de dois empates contra times africanos – 1 a 1 com Senegal, na última quinta-feira e outra igualdade no placar diante dos nigerianos, nesse domingo. Menos de quatro meses depois do título da Copa América, os resultados não assustam, mas Tite manifestou em coletivas de imprensa preocupação com a criação ofensiva –considerou ter sido satisfatória no segundo tempo contra Nigéria -, eficiência e solidez defensiva.

São seis gols sofridos nos últimos cinco jogos – marca incomum num sistema defensivo que nos primeiros 41 jogos havia levado apenas 10 gols. Os três empates (Colômbia, em setembro, Senegal e Nigéria) e uma derrota (Peru) nos quatro amistosos após a Copa América fizeram o aproveitamento do técnico Tite na seleção brasileira cair abaixo de 80% pela primeira vez em três anos e meio. O levantamento é do site Futdados.com.

Antes de entrar em campo no segundo tempo contra Senegal, Renan Lodi já recebia elogios pela desenvoltura e dedicação nos treinamentos. Contra a Nigéria, mostrou versatilidade ao defender bem na primeira etapa e conseguir fazer a diferença no ataque no segundo tempo. Fez duas boas jogadas, numa delas deixou Philippe Coutinho em condições de virar a partida.

“Creio que fiz um bom trabalho nessa semana que a gente ficou aqui. Fica um aprendizado. É um sonho que se realizou. Estou muito feliz e quero continuar evoluindo, com os pés no chão. No primeiro tempo tinha um extremo ali que era rápido, eu não podia ficar indo toda hora. No segundo tempo creio que passei mais, tive outras oportunidades”, comentou Lodi, na saída do jogo.

Questionado sobre maior número de testes em jogos amistosos, em meio à pressão por resultados, Tite comentou que não é malabarista para “ajustar a equipe, dar oportunidades e repetir padrão”, alegando que tem prioridades. A destes amistosos antes da estreia das eliminatórias em março era dar rodagem a jogadores com baixo número de jogos pela Seleção.

Serviu para o goleiro Ederson ter sequência com a lesão de Alisson – o goleiro do Liverpool deve voltar na convocação para os amistosos de novembro. E o jogador do Manchester City se saiu bem, depois de não viver os melhores dias contra Colômbia e Peru nos EUA.

Mas não serviu para aproveitar Éder Militão, que atuou contra o Peru, em setembro, mas não entrou em campo nos jogos de outubro – tem apenas seis até agora na Seleção. Enquanto Thiago Silva chegou ao jogo de número 88 e Marquinhos se aproximou das 50 partidas (são 46, 35 delas com Tite).

Dúvidas

O treinador promove mudança no sistema de jogo. Ele busca tornar o desenho de um 4-3-3 para o 4-4-2, ora com Neymar ora com Coutinho como meia. Everton, neste modelo, fica com a ponta esquerda. Mas outro problema físico do camisa 10 preocupa a Seleção. Concorrente à vaga no meio de campo, Lucas Paquetá entrou por apenas 10 minutos contra a Nigéria.

Outro pilar de Tite, Daniel Alves atuou por 180 minutos. Fez bom duelo com Mané, mas foi batido no lance do pênalti. Na segunda partida, o veterano atacou menos. Antes da viagem, Danilo havia sido cortado. Marcinho treinou bem em Singapura, mas não teve chances. O aproveitamento de Daniel até a Copa de 2022 vai depender das respostas do lateral, de condicionamento invejável aos 36 anos e sem uma sombra para disputar posição. Como é o caso de Alex Sandro e também Filipe Luís, que tem Renan Lodi pedindo passagem pela lateral.

Maior discussão desta convocação, que é prenúncio de menos nomes de clubes brasileiros para a próxima de novembro, quatro dos cinco que não entraram em campo desfalcaram suas equipes no Brasileiro – os goleiros Weverton, do Palmeiras, Santos, do Athletico, Marcinho, do Botafogo, e Rodrigo Caio, do Flamengo. Gabigol, também do Flamengo, jogou por 30 minutos.

De olho em Gerson

Substituto de Allan, do Napoli, na vaga de convocado no meio de campo, Matheus Henrique, do Grêmio, jogou 23 minutos contra Senegal. Tite busca alternativas para o meio de campo. Para disputar vaga com Arthur, titular recente da seleção brasileira, mas que ainda participa pouco da construção de jogadas.

O meia Gerson, do Flamengo, agrada ao treinador e teria boas chances na próxima lista, não fosse os compromissos do Rubro-Negro em meio ao Brasileiro e eventual final da Libertadores. Nomes da seleção olímpica, como Douglas Luiz e Bruno Guimarães, também são observados de perto pela comissão técnica de Tite.

FONTE: Informações | Globo Esporte.Com

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password