Votuporanga em alerta com 93 casos de caxumba neste ano

Autoridades de saúde e moradores estão preocupados em Votuporanga (SP) com um surto de caxumba que está tendo na cidade. Em pouco mais de dois meses, 93 pessoas tiveram caxumba na cidade. Esse número é preocupante, pois no ano passado todo, 70 casos foram registrados. A caxumba é uma doença contagiosa e de fácil transmissão. Se não for tratada corretamente, pode trazer sérias consequências principalmente ao homem.

O vigilante Camilo Bernardino Antônio ainda está se recuperando do susto. Ele ficou três dias internado e perdeu seis quilos. O motivo foi a caxumba. No começo ele até achou que estava gripado, porque os sintomas da caxumba são parecidos mesmo. “Depois de velho fui ter caxumba, nunca tive. Senti muita dor no corpo, febre alta, falta de apetite, procurei a UPA e me deram um soro”, afirma Camilo.

O cartorário Renan Flores tomou vacina contra caxumba, mas também acordou com dor no pescoço e descobriu que estava com a doença. “De noite, tive febre, no outro dia amanheceu inchado, procurei um médico e comprovou a caxumba. O cartório onde trabalho teve de vacinar todo mundo e na minha família também”, afirma.

A Secretaria de Saúde já registrou três surtos da doença na cidade nos últimos meses. Os números já superaram os registros do ano passado inteiro. “A secretaria tem notificado todos os casos e entramos em contato com os familiares dando a vacina e orientando permanecer em casa, afastado do trabalho e de atividades escolares”, afirma Danúbia Franco, enfermeira da Secretaria de Saúde.

A vacina que protege contra a caxumba é a tríplice viral, oferecida de graça nos postos de saúde. Geralmente as duas doses são tomadas na infância, mas quem não tomou pode atualizar a carteira de vacinação. “Um ano a criança recebe e até 29 anos precisa ter duas doses, e acima dos 30 tem de ter registrado uma dose da vacina”, diz Danúbia.

A caxumba é causada por um vírus. A médica infectologista Regina Silvia Chaves de Lima explica que não há medicamentos específicos para o tratamento. É preciso fazer repouso, principalmente os pacientes homens e se manter longe de locais públicos. “Para os homens podem causar danos e até esterilidade, evitar exercícios, ficar em casa para evitar a transmissão”, afirma.

(TVTEM/G1)

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password