TRF-4 nega pedido de Lula para anular delações da Odebrecht em caso do sítio

A defesa do petista argumentou que o documento evidencia que os delatores passaram a receber o dinheiro depois que aderiram às narrativas defendidas pela força-tarefa da Lava-Jato. Por unanimidade, a 8ª Turma do TRF-4 negou a tese e manteve a validade dos depoimentos.

O Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4) negou um pedido da defesa do ex-presidente Lula para que depoimentos dos delatores da Odebrecht no caso do sítio de Atibaia/SP não tivesse mais validade jurídica. A sessão, realizada nesta tarde, durou oito minutos.

O advogado do ex-presidente, Cristiano Zanin Martins, apresentou o recurso com base em uma planilha da Odebrecht que mostra que a empresa paga salários aos 77 delatores ligados ao grupo. A defesa de Lula argumentou que o documento evidencia que os delatores passaram a receber o dinheiro depois que aderiram às narrativas defendidas pela força-tarefa da Lava-Jato. Por unanimidade, a 8a Turma do TRF-4 negou a tese e manteve a validade dos depoimentos.

Os desembargadores também rejeitaram a solicitação da defesa de Lula para converter o julgamento em diligência com o objetivo de analisar a falta de voluntariedade das delações da Odebrecht.

No início da sessão, Zanin apresentou uma questão de ordem e solicitou que esse julgamento fosse suspenso até que o mandado de segurança sobre a atuação do FBI junto aos procuradores da Lava-Jato fosse julgado. Nessa semana, a defesa de Lula recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para acessar dados dessa cooperação internacional. Esse pedido também foi rejeitado pelo TRF-4.

Procurado, o advogado do ex-presidente disse que vai recorrer da decisão quando o acórdão for publicada.

FONTE: Informações | oglobo.globo.com

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password