SP não vai politizar vacina contra Covid-19 e espera o mesmo do governo federal, diz Doria

Questionado em entrevista coletiva sobre o viés político do assunto, Doria afirmou que não é razoável imaginar que o governo federal vá colocar ideologias ou visões partidárias e eleitorais sobre algo que salva vidas.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta sexta-feira (16) que o Estado não vai politizar o desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19 e que espera que o governo federal também não o faça, “em nome de milhões de brasileiros que precisam” da imunização.

Questionado em entrevista coletiva sobre o viés político do assunto, Doria afirmou que não é razoável imaginar que o governo federal vá colocar ideologias ou visões partidárias e eleitorais sobre algo que salva vidas.

“A cada dia sem a vacina no Brasil, mais de 700 pessoas perdem a vida… A posição do governo de São Paulo é colocar a vacina absolutamente distante de qualquer debate político. Sempre foi assim, desde o início do combate à pandemia aqui”, disse o governador. “São Paulo não é negacionista.”

O Instituto Butantan tem participado do desenvolvimento da chamada CoronaVac em conjunto com o laboratório chinês Sinovac, mas a ação já foi criticada pelo presidente Jair Bolsonaro, que classificou o produto como a vacina “que um governador resolveu acertar com outro país”. [nL1N2F82PH]

Doria disse entender que a vacina é um bem dos brasileiros e mencionou a posição do Butantan como importante fornecedor de vacinas para o Ministério da Saúde.

“Será que agora que tem a vacina, o governo federal vai negar a vacina aos brasileiros que precisam ter a vacina para terem a sua vida preservada? No que depender do governo do Estado de São Paulo, não”, afirmou.

À noite, em publicação em suas redes sociais, Bolsonaro, sem citar Doria, disse que o Ministério da Saúde irá realizar a vacinação “sem açodamento”.

“O MS irá oferecer a vacinação, de forma segura, sem açodamento, no momento oportuno, após comprovação científica e validada pela Anvisa, contudo, sem impor ou tornar a vacinação obrigatória”, disse o presidente, que tem defendido sempre que as pessoas não sejam obrigadas a se vacinar.

O governador possui reuniões marcadas para o próximo dia 21 com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e com o diretor da Anvisa, Antônio Barra Torres, para negociações a respeito da CoronaVac, que ainda não foi incluída no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Na véspera, o secretário-executivo do ministério, Elcio Franco, havia indicado em entrevista coletiva que a vacina que envolve Butantan e Sinovac está no rol das que devem ser adquiridas pelo governo federal, mas que são necessários estudos de fatores como segurança, eficácia, prazos, produção em escala e preço razoável.

SEM EFEITOS COLATERAIS

Um resumo dos relatórios de testagem da vacina no Brasil será encaminhado à Anvisa na segunda-feira, mas Doria afirmou que o órgão já possui todos os dados necessários, uma vez que estes são acompanhados diariamente.

“Até aqui, sem nenhuma colateralidade –ou seja, até aqui, os testes positivos da CoronaVac, a vacina do Butantan com o laboratório Sinovac”, disse o governador.

Os testes no país estão na reta final da fase 3. Segundo o coordenador executivo do Centro de Contingência da Covid-19 no Estado, João Gabbardo, as duas primeiras fases de testagem indicaram eficácia de cerca de 98%, enquanto o Ministério da Saúde fala em um número superior a 50% para aprovação da Anvisa.

Gabbardo disse crer que a CoronaVac preencha todos os requisitos elencados pelo Ministério da Saúde para ser incorporada ao PNI.

FONTE: Informações | br.reuters

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password