Saúde pede colaboração para combate ao Aedes Aegypt

      

Apesar da epidemia de dengue no município, muitos não aceitam receber agentes de saúde; Votuporanga registra 296 casos neste ano 

Há pouco menos de um mês, Votuporanga decretou epidemia por causa da dengue e, apesar da situação crítica, ainda existem moradores que dificultam o trabalho dos agentes de saúde que atuam na fiscalização contra o mosquito Aedes Aegypti – transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya.

O município registra, em 2016, 296 casos positivos de dengue.

A diretora da Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde, Vera Dorigão, afirma que, em muitos casos, os agentes não são atendidos, principalmente nos mutirões promovidos pela Prefeitura aos sábados. Nem sempre o morador está em casa para que a vistoria seja feita e quando há pessoas no imóvel, muitos não aceitam receber os profissionais. “As ações do poder público no combate ao Aedes parecem ser insuficientes para conscientizar a população sobre os riscos da proliferação do mosquito, e sem a colaboração da população, sozinhos, não temos condições de combatê-lo”, desabafa.


A Saúde apela à população para que os agentes sejam recebidos para as vistorias. Para cada residência, dois ou três agentes inspecionam o local e orientam o cidadão sobre os riscos dos pequenos criadouros do Aedes nos quintais e a necessidade do descarte correto dos materiais. Cerca de 80% dos criadouros são encontrados em residências, especificamente em ralos, piscinas, jardins (bromélias e vasos de plantas), objetos descartáveis (copos e garrafas) caixa dágua, utensílios domésticos e calhas. 


Em casos de dúvida sobre a identidade do agente, o morador poderá solicitar o documento pessoal e ligar para o 0800-770-9786 para comprovar a participação do funcionário na ação. Todos os agentes recrutados no mutirão são obrigados a portar documento pessoal e apresentá-lo ao morador, se solicitado. 


Mutirão

O mutirão de limpeza “Todos Contra a Aedes” visita a cada sábado, em Votuporanga, aproximadamente 1,5 mil imóveis, entre casas, estabelecimentos e terrenos baldios. Mais de 120 funcionários da Saúde, entre agentes de saúde e supervisores, estão empenhados nesta força-tarefa. A ação segue até o dia 30 de abril – previsão para que todos os bairros sejam contemplados. 


A prevenção é a única arma contra a doença. A melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor. Para isso, é importante não deixar água parada em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.


O mutirão mobiliza ainda funcionários das Secretarias de Assistência Social; Trânsito, Transporte e Segurança; Cidade; Educação; Obras e Superintendência de Água, Esgoto e Meio Ambiente (Saev Ambiental), além de voluntários.


Igrejas

As igrejas vão reforçar as ações de combate ao Aedes no próximo sábado (19). O mutirão contará com o apoio das instituições evangélicas, através do Conselho de Pastores; da Câmara Municipal, Superintendência de Endemias de São Paulo (Sucen) e Prefeitura de Votuporanga. 


Aproximadamente 500 voluntários evangélicos estarão empenhados no mutirão. A concentração será na Câmara Municipal, às 7h30. Os participantes farão um trabalho de orientação aos moradores quanto aos cuidados em relação à multiplicação do Aedes Aegypti, além de retirar pequenos criadouros do mosquito descartados em áreas públicas.

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password