Professor é condenado a 22 anos de prisão por abusar de menores

Nelson Garcia Gomes, 69 anos, professor de Natação de Monte Aprazível, foi condenado a 22 anos de prisão em regime fechado por ter abusado de quatro crianças com idades entre  9 anos e 12 anos, alunas dele em uma conceituada academia da cidade.

O caso foi descoberto pela mãe de uma das meninas em julho de 2014. De acordo com a denúncia, a mulher estava dando banho na filha quando ela teria contado que o prosfessor passava a mão em suas partes íntimas. E também que ele se esfregava nela e em mais duas colegas.

A mãe registrou um boletim de ocorrência e as outras crianças também foram ouvidas. Ao todo, quatro crianças, incluindo uma menina com problemas mentais, teriam sido abusadas pelo professor.

O inquérito foi aberto pela delegada Luciana de Almeida Carmo Mancini.  Em agosto e em setembro, ele teve o pedido de prisão deferido. No mês seguinte, os advogados do professor pediram um Habeas Corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo para que ele respondesse ao processo em liberdade, porém a prerrogativa foi negada e o acusado continuou preso.

No mês passado, as vítimas, as testeumnhas e o réu foram ouvidos em uma audiência no Fórum de Monte Aprazível. Em uma segunda audiência, o promotor Rodrigo Pereira dos Reis apresentou a acusação e os advogados foram ouvidos.

Nesta terça, o juíz André Luiz Adoni aceitou a tese do Ministério Público e condenou o professor a 22 anos e seis meses de prisão em regime fechado. De acordo com o juiz, o réu foi condenado por estúpro de vulnerável contra menor de 14 anos, cuja pena varia de 8 anos a 15 anos. Porém, o juíz considerou que, contra ele, existiam dois agravantes. Ter sido praticado por pessoa de confiança da criança e por ter acontecido repetidas vezes.

O advogado de defesa de Nelson afirmou que irá recorrer da sentença em segunda instância, no Tribunal de Justiça. De acordo com ele, o juiz da primeira vara criminal de Monte Aprazível nem mesmo teria analisado a tese da defesa. “Vamos recorrer da sentença pedindo uma nova análise das provas que temos”, explicou Donaldo Luíz Paiola. Victor Augusto/Diário da Região

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password