Presença de entorpecente perto de escolas preocupa

Um assunto que preocupa muito a sociedade é o uso de entorpecentes. Quando as drogas se aproximam de crianças e adolescentes, o medo é ainda maior. Na sessão da Câmara da última segunda-feira, o vereador Mehde Meidão Slaiman Kanso apontou a possibilidade de crianças terem encontrado drogas em uma escola da rede municipal da cidade. A Secretaria de Educação explicou que os alunos acharam embalagens vazias, que foram entregues para a polícia.

 

De acordo com a diretora Elen Luciana Zuchetti Venâncio, da Escola Municipal Professora Irma Pansani Marin, no começo do ano, foi registrado um boletim de ocorrência de droga encontrada no colégio. Porém, desta vez, na sexta-feira, dia 8, os alunos acharam somente embalagens vazias, que foram encaminhadas para a faxineira e, posteriormente, para a diretora, que chamou a polícia. Como não havia droga nos pacotes, não foi registrado boletim de ocorrência.
Durante a reunião com pais, realizada no dia 12 de novembro, a diretora mostrou os papeletes encontrados na escola e pediu que eles orientem os moradores do bairro a não jogar nada na unidade. “Orientamos muito bem as crianças a nos entregar qualquer objeto que for encontrado na escola. Também trabalhamos com elas a prevenção ao uso de drogas. Porém, do muro para fora, não temos controle do que os adultos jogam aqui dentro”, ressaltou.
A escola Irma Pansani atende crianças com idades entre 5 e 11 anos, que cursam do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental. São, em média, 300 alunos.
A diretora contou ainda que durante as férias de julho foi pedido reforço na ronda escolar para a Polícia Militar e que nenhum problema aconteceu naquele período.
De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, esta unidade escolar possui barreira de alarme e funcionários atentos na observação para que nada que prejudique as crianças entre no local.
A Secretaria informou ainda que não há nenhum caso de criança utilizando entorpecente nas unidades escolares do município e que possui parceria com a Polícia Militar, por meio do Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência) e trabalha os temas transversais sobre valorização e qualidade de vida no sistema apostilado SER com os alunos das unidades escolares da Rede Municipal de Ensino.
Leidiane Sabino – A Cidade

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password