Por telefone ou pessoalmente, policiais militares ajudam a salvar vidas

Em 2017, foram sete casos de salvamento na região, em Rio Preto, Mirassol, Meridiano e Parisi

Treinados para enfrentar o crime, um grupo de oito policiais militares teve atuação destacada em 2017 quando deixou as armas de lado e exerceu outra função: a de heróis de farda. Por telefone ou pessoalmente, eles prestaram socorro a bebês, crianças e adultos e salvaram vidas. Foram sete casos na região, em Rio Preto, Mirassol, Meridiano e Parisi.

Um dos casos marcantes de salvamento ocorreu no dia 1º de junho, quando uma equipe do Caep (Companhia de Ações Especiais da Polícia Militar), coordenada pelo tenente Cássio Lenarduzzi, salvou o bebê Miguel Zamonelli. Pai e mãe seguiam viagem de carro de Mirassol para Presidente Prudente quando a criança, à época com um ano e seis meses, começou a passar mal e ficou engasgada com um salgado.

Lenarduzzi recorda que a equipe estava em patrulhamento pela rodovia em busca de um carro suspeito de transportar droga, quando viu uma mulher na beira da pista pedindo socorro.

Assim que parou a viatura, Lenarduzzi entrou no carro da família e percebeu que a criança estava sem respiração. Imediatamente, o tenente pegou a criança no colo e iniciou os procedimentos médicos, chamado de tapotagem, para tentar desobstruir as vias respiratórias da criança.

Como mesmo assim a criança não retomou os sinais vitais, os policiais resolveram levar a criança até o pronto-socorro do hospital Austa. Durante o trajeto da pista até o hospital, Lenarduzzi continuou a fazer os procedimentos de primeiros socorros. Quando estavam a poucos metros do pronto-socorro, o menino voltou a respirar.

No hospital, o menino passou por exames médicos e depois foi liberado aos cuidados dos pais, que seguiram viagem até Presidente Prudente. Nos últimos oito meses, o policial e os pais da crianças estreitaram amizade, diz mãe, Estefania Rufino Zamonelli.

“Tenho certeza que foi Deus que enviou eles no dia em que o Miguel engasgou. Eles foram muito rápido. Pegaram o Miguel desfalecido”, diz Estefania.

Lenarduzzi, que é casado, mas ainda não é pai, criou ligação afetiva e de responsabilidade com a criança.

“Poder salvar o Miguel foi um grande presente na minha vida e na vida de minha equipe. Ele deixou o anonimato para se tornar um garoto pelo qual tenho um carinho absurdo; ouso dizer que me sinto até como padrinho do Miguel, alguém que também tem responsabilidade de protegê-lo.”, afirma o tenente.

Salvamentos

O cabo da PM Ronaldo de Oliveira, da equipe de patrulhamento por moto, também teve de fazer uso de conhecimentos de primeiros socorros para fazer a reanimação de uma criança de 1 ano e cinco meses que tinha acabado de cair na piscina, em 1º de novembro. Graças ao empenho dele, a criança sobreviveu a tempo de ser socorrida por uma equipe de bombeiros, para depois ser encaminhada para o Hospital da Criança e Maternidade.

Das sete ocorrências, três foram feitas por policiais que trabalham no Centro de Operações da PM (Copom), para onde as chamadas para 190 são centralizadas.

Em 24 de maio deste ano, o cabo Victor Hugo Ferreira dos Santos orientou por telefone uma mulher a ajudar o filho deficiente físico, que estava engasgado com alimentos. Graças ao seu treinamento, conseguiu acalmar a mãe e salvar a criança.

 

Cuidados com engasgos

 

O médico Tiago Elias afirma que os casos de engasgos são bem frequentes principalmente em recém nascidos. Os primeiros socorros são fundamentais para garantir a sobrevivência da criança.

O engasgo quando ocorre o bloqueio da traqueia, que é o órgão responsável em enviar e retirar o ar dos pulmões, que nestes casos acaba sendo bloqueado por um objeto estranho, por vômito ou até mesmo sangue, explica o médico.

Elias acha importante o trabalho dos policiais militares, tanto pessoalmente, fazendo o salvamento, quanto por telefone, orientando as pessoas mais próximas a ajudar a vítima de engasgamento.

Por ano, odos os anos no Brasil, mais de 700 crianças morrem vítimas de sufocações ou engasgamento.

 

Salvamento da PM

* Criança engasgada

Meridiano

3 de março

Cabo Marcelo Chalton da Silva Pereira e soldado Reginal Alexandre da Silva salvaram criança de 14 dias que tinha engasgado com o leite e levaram até a Santa Fernandopolis

* Criança engasgada

Rio Preto

3 de março

Soldados Ricardo Garcia Giroto orientou por telefone mãe de criança com 15 dias a usar a manobra de tapotagem para fazer a filha volta a respirar.

* Deficiente sufocado

Rio Preto

24 de maio

O cabo Victor Hugo Ferreira dos Santos orientou por telefone uma mulher ajudar o filho deficiente físico que estava engasgado com alimentos.

* Mulher com parada cardiaca

Parisi

28 de maio

Cabo Valtoir Fernandes Motta socorreu uma mulher de 42 anos com parada cardiaca desmaiada na rua. Por meio de técnicas de reanimação, ele conseguiu restabelecer os sinais vitais da vítima até a chegada do Samu

* Criança sufocada

Mirassol

1 de junho

Integrantes do Caep (Companhia de Ações Especiais da Polícia Militar), coordenadospelo tenente Cássio Lenarduzzi salvaram uma criança que estava morrendo sufocado, engasgada por um salvado.

* Criança sufocada

Rio Preto

12 de junho

Cabo Kathleen Gutierrez Pera orientou por telefone uma mãe a salvar a filha de 17 dias que estava sufocada com leite, com uso de técnicas de reanimação.

* Criança afogada

Rio Preto

1º de novembro

Cabo Ronaldo de Oliveira fez a reanimação de uma criança de 1 ano e cinco meses que tinha acabado decair na piscina.

o que fazer

Em caso de engasgamento, a primeira conduta é pedir para alguém acionar o serviço médico especializado – Samu (192), Corpo de Bombeiros (193) ou Polícia Militar (190)

Providencie transporte até o pronto-socorro mais próximo.

Se não houver mais ninguém por perto, tente desengasgar o bebê por dois minutos.

Passo a passo da ação

Segurando o bebê inclinado para a frente, dê até 5 palmadas nas costas dele, usando sua mão aberta.

A posição da cabeça levemente inclinada para a frente facilita o processo de desengasgo e evita que a criança volte a vomitar durante as manobras.

Vire o bebê de barriga para cima, segurando firmemente entre suas mãos e braços, e faça duas compressões torácicas, até chegar ajuda médica.

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Marco Antonio dos Santos – diarioweb.com.br

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password