Na BA: Grávida e recém-nascido morrem após parto em Salvador e família denuncia negligência em maternidade: ‘Útero estourou’

Mulher tinha 44 anos e teria o nono filho. Família relata que bebê estava atravessado e que mulher precisava de cesariana, mas que equipe do hospital insistiu em parto normal.

Uma mulher de 44 anos e o filho dela recém-nascido morreram em Salvador/BA, no domingo (22), após parto realizado na maternidade Albert Sabin, localizada no bairro de Cajazeiras.

A família de Josefina dos Santos e do bebê denunciam que as mortes foram resultado de negligência médica e registraram o caso junto à Polícia Civil.

G1 entrou em contato com a 13ª Delegacia, em Cajazeiras, que confirmou que a família esteve lá para registrar o caso, e que as investigações seriam realizadas.

Os enterros da mulher e do recém-nascido estão previstos para ocorrer às 11h, desta terça-feira (24), no cemitério de Plataforma.

De acordo Leila Paulo Cruz, uma das cunhadas de Josefina, a mulher começou a sentir dores e foi para maternidade no dia 9 de dezembro. Na ocasião, ela foi internada, ficou cerca de uma semana na unidade de saúde e foi liberada.

“A equipe insistiu para liberar ela, mas meu irmão foi na assistente social e conseguiu que ela ficasse mais um dia. Depois ela saiu, mas ainda sentindo muita dor. Não conseguia botar o pé no chão”, contou.

No entanto, no último sábado (21), por volta das 23h, familiares contam que as dores pioraram e Josefina começou a sofrer sangramentos. Ela seguiu novamente para a maternidade Albert Sabin, onde foi atendida às 2h, de acordo com os familiares.

“Insistiram para que ela fizesse parto normal. Uma médica ainda fazia chacota dela. Ficava falando: “Faz força, Josefina”. Depois, descobriram que o bebê estava atravessado. Veio um terceiro médico e disse que não tinha como ter parto normal. De tanto forçar para o menino sair, o útero dela estourou. Pegaram ela, colocaram na cadeira de rodas e uma poça de sangue acumulou no chão”, relatou Leila.

Leila contou que a cunhada precisava passar por uma cirurgia cesária, mas por ela ter tido oito filhos, a equipe médica forçou parto normal.

“O bebê morreu. O menino tinha 3,4 kg. Josefa fez todo o pré-natal, mas o bebê morreu. Avisaram que Josefina estava entre a vida e a morte. No domingo (22), ela foi encaminhada para a UTI da maternidade José Maria de Magalhães Neto, no bairro do Pau Miúdo, onde acabou morrendo”, relatou Leila.

Em nota, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) informou que a paciente foi internada em observação há aproximadamente oito dias por apresentar dor pélvica. “Realizou exames de laboratório e usg que seguindo todos os protocolos do Ministério da Saúde não indicavam a necessidade de intervenção cesariana precoce”. Ainda segundo a Sesab, a paciente recebeu alta com todas as orientações de retornar em trabalho de parto ou com 41 semanas, .

A secretaria disse que, após quatro dias, a paciente retornou em franco trabalho de parto, evoluindo até que apresentou parada de progressão no trabalho de parto, sendo encaminhada para cesárea de urgência. Ainda segundo a Sesab, os procedimentos realizados foram informados e discutidos com a paciente e acompanhantes. “Todas as intervenções possíveis foram efetuadas, mas infelizmente não lograram êxito”, diz a nota.

O documento ressalta que a paciente foi assistida por todo o tempo, sendo, inclusive, transferida para a Maternidade de Referência quando da indicação de internação em unidade intensiva.

A nota da Sesad finaliza, destacando que o secretário Fábio Vilas-Boas determinou a apuração dos fatos e que, se for comprovado negligência ou erro médico, os responsáveis serão punidos.

FONTE: Informações | g1.globo.com 

0 Comentários

    Deixe um Comentário

    doze − 9 =

    Login

    Bem vindo! Faça login na sua conta

    Lembre de mim Perdeu sua senha?

    Lost Password