Morre menino ‘ilhado’ por fogo em canavial

Após 13 dias de internação, com queimaduras em 95% do corpo após ficar “ilhado” em meio a um incêndio de canavial, o garoto Jesus Ângelo de Oliveira, 9 anos, morreu no Hospital Padre Albino, em Catanduva. O velório do menino ocorreu em Guaraci e o enterro foi realizado ontem no cemitério de Severínia. Quando sofreu as queimaduras, no dia 19, Jesus Ângelo estava com os seus pais, atravessando de carro por uma estrada vicinal próxima ao canavial vizinho à Usina Vertente, em Guaraci.

A família de Jesus Ângelo – Valdir Gonçalves de Oliveira, 36 anos, Roseli Miranda de Oliveira, 41 anos – ficou presa no meio da plantação de cana de açúcar em chamas quando o veículo que eles estavam, um Uno, saiu da vicinal e caiu em uma valeta. O motorista Valdir perdeu o controle da direção ao ficar desorientado pela fumaça. Ainda desorientados, pai, mãe e filho entraram ainda mais no canavial e foram atingidos pelo fogos. A família conseguiu voltar à vicinal e foi socorrida por funcionários da usina.

O fogo causou queimaduras em 95% do corpo da criança, em 60% do corpo da mãe eem25% no pai. Inicialmente, os três foram levados para o Hospital de Guaraci e encaminhados para a Santa Casa de Olímpia. Após os primeiros atendimentos, pai e mãe foram transferidos para o Hospital de Base e o garoto para o Hospital Padre Albino, referência no tratamento de queimados. Atualmente, Valdir está no Padre Albino, mas a assessoria de imprensa não informou o estado de saúde dele. Já Roseli está no Hospital Regional de Sorocaba e o estado de saúde é grave. Ela será submetida a amputação de uma das pernas.

Procurados pela reportagem do Diário ontem à tarde, parentes das vítimas afirmaram estar abalados e disseram que preferidam não falar sobre o acidente. A reportagem entrou em contato com a usina, mas ninguém atendeu a ligação telefônica. O incêndio, que começou no dia 18 e só foi controlado dois dias depois por equipes do Corpo de Bombeiros de Olímpia e funcionários de usinas na região.Deacordo com o Corpo de Bombeiros, o incêndio destruiu aproximadamente dois mil hectares de cana, pasto e mata nativa, o equivalente a 2,5 mil campos de futebol.

Queimadas

Diariamente são registrados pelo menos 42 focos de incêndio na região de Rio Preto. Os dados são do mês de agosto e mostram um crescimento de 40% no número de queimadas, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Só neste ano, foram 1.305 ocorrências, contra 803 de 2013, segundo monitoramento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão do Ministério do Meio Ambiente. O Inpe utilizanove satélites para identificar os focos e classificá-los em uma escala quevai de risco mínimo a crítico, de acordo coma área atingida e condições climáticas. Na região, 98% das queimadas deste ano foram consideradas de risco crítico.

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password