Ministro, Edinho Araújo ‘foca’ 2016

O deputado federal reeleito Edinho Araújo (PMDB), confirmado por Dilma para assumir a Secretaria de Portos a partir de janeiro, afirma que a indicação não irá afastá-lo da disputa eleitoral de Rio Preto de 2016 e que a região não perderá representatividade com sua saída da Câmara dos Deputados.

Edinho afirmou, em entrevista na manhã de ontem em seu escritório político em Rio Preto, que vai encarar um novo desafio em Brasília, mas segue como principal nome do PMDB na corrida eleitoral da sucessão de Valdomiro Lopes (PSB). O prefeito, que não será candidato daqui a dois anos, tenta, por outro lado, manter seu grupo unido para lançar candidatura.

“Minha indicação para ministro mostra que o PMDB está fortalecido nacionalmente. Aumentou a participação no governo federal e seguirá fortalecido no Estado e em Rio Preto a minha indicação deixa o partido fortalecido, especialmente na cidade e na região. Sobre a eleição municipal, vamos participar desse processo. É um olho lá (em Brasília) e outro cá (em Rio Preto). Não vou dizer que sou candidato, mas não descarto”, afirmou o ainda deputado federal.

Sobre o fato de a região perder um deputado federal no ano que vem, Edinho minimizou o assunto. No total, a região elegeu quatro deputados federais em outubro. Além de Edinho, foram eleitos Sinval Malheiros (PV), Fausto Pinato (PRB) e Rodrigo Garcia (DEM), cotado para ser secretário de Geraldo Alckmin (PSDB). Pelo fato de estar mais próximo da presidente Dilma, o ministro disse que aumenta o poder de participação das decisões.

“Acredito que Rio Preto e região vão ganhar com minha indicação ao ministério. Vou estar mais próximo dos ministros, falar sobre problemas. Não vai reduzir a representação. Pelo contrário, acho que aumenta. Estarei mais próximo do poder decisório”, disse Edinho.

Emperradas

Edinho assume a Secretaria que tem reservado no Orçamento, oficialmente, R$ 1,1 bilhão, mas a estimativa de investimentos chega a cerca de R$ 3 bilhões. Como primeiro problema na pasta, terá de enfrentar questionamentos do Tribunal de Contas da União (TCU), que barrou licitações de portos.

São cinco empreendimentos parados. “Irei me inteirar sobre o relator do processo no TCU e ver o que está acontecendo. O País tem 30 portos públicos e 100 privados, com capacidade de investimento muito grande. Precisamos fazer andar”, afirmou.

Petrobras

Edinho entra no governo que tem sido marcado por denúncias de corrupção que envolvem a Petrobras, que têm alguns contratos com a pasta que irá assumir. O futuro ministro evitou se alongar sobre o assunto. “A Polícia investiga, o Ministério Público com independência. Existe o fato que precisa ser apurado, mas o País tem de andar. É preciso apuração, mas o Brasil precisa olhar para a frente e avançar”.

Uso de hidrovias é desafio

Edinho Araújo (PMDB) admitiu ontem que ainda tem pouco conhecimento sobre a pasta irá assumir a partir de janeiro. “Estou recebendo informações desde de manhã sobre a secretaria. Terei muito trabalho durante o fim de ano”, afirmou. Segundo Edinho, um dos desafios como ministro será de utilizar hidrovias, que são meio de transporte mais barato.

“Visitei a China no ano passado que possui portos muito modernos. Dubai também. Precisamos pensar algo assim, para termos investimentos, fazer a safra escoar, criar empregos e movimentar a economia. O uso da hidrovia Tietê-Paraná ainda preciso me inteirar sobre a questão, que compete mais ao Estado. Mas podemos interagir.

Na condição de ministro essa integração será muito maior”, afirmou o deputado. Edinho recoloca Rio Preto com um nome de peso no governo federal. A última vez que isso ocorreu foi na gestão de Fernando Henrique Cardoso, quando Aloysio Nunes chegou a ser ministro da Justiça. Senador atualmente, Aloysio dispara críticas ao governo Dilma, que Edinho passará a integrar.

Vinícius Marques Diário da Região

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password