Menino Pedro Henrique luta contra o tempo para encontrar um doador compatível

Rádio Arena FM

O caso de dois meninos continua mobilizando a comunidade fernandopolense. Primeiro, uma criança de seis anos, João Pedro, desde fevereiro iniciou uma campanha para cadastramento de doadores de medula óssea com a finalidade de encontrar um doador compatível para a cura da Leucemia.

Agora um outro menino, Pedro Henrique, que mora até na mesma rua que o João, também está lutando para viver. Ele tem apenas 5 anos de idade e também sofre de leucemia, mas seu caso é mais complicado; e ele precisa urgente de um doador para salvar sua vida, pois tem 11 dias para fazer o transplante.

As histórias dessas crianças se cruzaram e juntas, as famílias fazem o possível para lutar contra a leucemia, que é um tipo de câncer que agride os glóbulos brancos, que são partes do sangue produzidos pela medula óssea. Essa é a doença maligna mais comum na infância, correspondendo aproximadamente a 30% dos casos de câncer em crianças.
No caso de João Pedro a leucemia é a Mieloide Aguda. Após passar por tratamento médico seu caso teve uma boa resposta, o que o afastou um pouco do perigo da doença, mas mesmo assim, precisa de um doador compatível para estar curado definitivamente.
Já o caso do Pedro Henrique é bem mais complicado. Sua leucemia é a Linfóide Aguda, que é um câncer das células brancas, caracterizada pela produção maligna de linfócitos imaturos Linfoblastos na medula óssea. Este, é o câncer infantil mais freqüente e apresenta um pico de incidência entre 2 á 5 anos de idade. A incidência volta a aumentar após os 60 anos.

A Leucemia é uma doença rapidamente progressiva, que necessita de urgência no tratamento. Portanto, o caso de Pedro Henrique é mais delicado e a necessidade de transplante é urgente, para que ele tenha sua vida salva.
Nessa luta pela vida, as famílias dos dois meninos se uniram para realizarem uma campanha em busca de doadores compatíveis. Essa campanha teve início em 1 de julho e acontece aqui em Fernandópolis e também em São José do Rio Preto.

Qualquer pessoa com idade acima de 16 anos pode se tornar um herói, com um gesto de amor, se cadastrando como doador de medula óssea. O cadastramento acontece no horário normal de atendimento do núcleo de hemoterapia, que em Fernandópolis funciona de segunda à sexta feira, das 7h as 18:30h. Aos sábados o atendimento é das 8h as 12h. O Hemocentro de Fernandópolis fica anexo a Santa Casa de, ao lado do pronto socorro de atendimento.

Para ser um doador de medula óssea é preciso ter entre 18 e 55 anos e estar em boas condições de saúde. Também devem preencher um cadastro com dados completos, endereço e também coletar uma pequena amostra de sangue para um teste, que identifica a tipagem genética. Apenas não podem se cadastrar pessoas em tratamento Oncológico, portadores do vírus HIV e de hepatite B e C.

Os dados pessoais e os resultados dos testes serão armazenados no registro brasileiro de doadores de medula óssea, o Redome. O sistema é informatizado e realiza o cruzamento com dados dos pacientes que estão necessitando de transplante.

Faça a sua parte e contribua para a doação de medula óssea para esses dois meninos e também para tantas outras pessoas que necessitam de doações

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password