Mães de alunos protestam contra fechamento de classes

Mães de alunos de quatro salas da escola municipal Regina Mallouk, no estância Bosque Verde, em Rio Preto, estão revoltadas com o anúncio de fechamento de salas do 6º e 7º anos a partir de 2017, e a consequente transferência dos estudantes para outra escola, mais distante. Elas têm medo de falta transporte para os filhos, mas a Secretaria de Educação garante que a alteração não trará problemas. A direção da escola afirma que serão extintas quatro salas para abrir espaço para novos estudantes, do 1º ao 4º anos de novos conjuntos habitacionais entregues este ano na zona Norte.

Com a mudança, cerca de 150 estudantes serão transferidos para a escola Professor Octacilio Alves de Almeida, que fica no Conjunto Habitacional São José do Rio Preto I. Uma das pessoas mais preocupadas com a mudança é a dona de casa Erica Cristina Nardin, 41 anos, mãe de uma estudante de 12 anos, que tem necessidade de cuidados especiais. “Minha filha tem problemas que prejudicam a locomoção. A escola fica a apenas três quarteirões. Quem me garante que colocando ela no ônibus vai chegar sã e salva. E se alguém bater nela no caminho?”, diz a mãe.

Com a mesma preocupação de transporte escolar está Verginia de Souza, 33 anos, que não acha justo transferir o filho de 12 anos, para abrigar estudantes de novos bairros. “Não é justo a Prefeitura tirar o sexto e o sétimo anos da nossa escola, por causa das casinhas que vão entregar até o fim do ano. A Prefeitura deveria entregar as casinhas já com novas escolas e creches.” Nesta terça-feira, dia 8, as mães dos alunos vão se reunir com a direção da escola para pressionar pela desistência na transferência de estudantes. Caso contrário, elas pretendem fazer protestos e procurar ajuda da Vara da Infância e da Juventude e do Conselho Tutelar.

Outro lado

Por meio de nota, a Secretaria de Educação informou que, para atendimento da demanda dos anos iniciais do ensino fundamental daquela região, foi acordado com a rede estadual de ensino a antecipação do encaminhamento dos alunos, que já iriam para a escola estadual Octacilio Alves de Almeida no 8º ano. A Prefeitura diz que todos os conjuntos habitacionais já são projetados com os equipamentos de saúde e educação para atender os moradores.

Mães de alunos de quatro salas da escola municipal Regina Mallouk, no estância Bosque Verde, em Rio Preto, estão revoltadas com o anúncio de fechamento de salas do 6º e 7º anos a partir de 2017, e a consequente transferência dos estudantes para outra escola, mais distante. Elas têm medo de falta transporte para os filhos, mas a Secretaria de Educação garante que a alteração não trará problemas. A direção da escola afirma que serão extintas quatro salas para abrir espaço para novos estudantes, do 1º ao 4º anos de novos conjuntos habitacionais entregues este ano na zona Norte.

Com a mudança, cerca de 150 estudantes serão transferidos para a escola Professor Octacilio Alves de Almeida, que fica no Conjunto Habitacional São José do Rio Preto I. Uma das pessoas mais preocupadas com a mudança é a dona de casa Erica Cristina Nardin, 41 anos, mãe de uma estudante de 12 anos, que tem necessidade de cuidados especiais. “Minha filha tem problemas que prejudicam a locomoção. A escola fica a apenas três quarteirões. Quem me garante que colocando ela no ônibus vai chegar sã e salva. E se alguém bater nela no caminho?”, diz a mãe.

Com a mesma preocupação de transporte escolar está Verginia de Souza, 33 anos, que não acha justo transferir o filho de 12 anos, para abrigar estudantes de novos bairros. “Não é justo a Prefeitura tirar o sexto e o sétimo anos da nossa escola, por causa das casinhas que vão entregar até o fim do ano. A Prefeitura deveria entregar as casinhas já com novas escolas e creches.” Nesta terça-feira, dia 8, as mães dos alunos vão se reunir com a direção da escola para pressionar pela desistência na transferência de estudantes. Caso contrário, elas pretendem fazer protestos e procurar ajuda da Vara da Infância e da Juventude e do Conselho Tutelar.

Outro lado

Por meio de nota, a Secretaria de Educação informou que, para atendimento da demanda dos anos iniciais do ensino fundamental daquela região, foi acordado com a rede estadual de ensino a antecipação do encaminhamento dos alunos, que já iriam para a escola estadual Octacilio Alves de Almeida no 8º ano. A Prefeitura diz que todos os conjuntos habitacionais já são projetados com os equipamentos de saúde e educação para atender os moradores. Marco Antonio dos Santos/Diário da Região

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password