Jales tem o pior desempenho em geração de empregos na região

As estatísticas do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) – que era vinculado ao extinto Ministério do Trabalho e agora está vinculado ao Ministério da Economia – divulgou na quarta-feira, 24, os números da geração de empregos formais, relativos a março de 2019.

Os números mostram que, em Jales, foram fechados 15 empregos com carteira assinada, resultado de 257 admissões e 272 demissões. Com o resultado negativo de março e os saldos positivos de janeiro (+43) e de fevereiro (+45), Jales fecha o primeiro trimestre do ano gerando apenas 73 novos empregos, a pior performance entre as principais cidades da região e pior até mesmo que a vizinha Urânia, que produziu, nos primeiros três meses de 2019, 84 novos empregos.

O Comércio – setor que havia registrado o melhor desempenho em fevereiro – foi quem apresentou o pior resultado em março, fechando 19 postos de trabalho, seguido pela Construção Civil, que fechou 10 empregos. O saldo negativo de Jales em março poderia ser ainda maior, não fosse o desempenho da Indústria, que produziu 25 novos empregos com carteira assinada. Na comparação com os meses de março de anos anteriores, o saldo negativo de março de 2019 foi o pior resultado dos últimos quatro anos, ficando à frente apenas de março de 2015, quando foram fechados nada menos que 37 vagas de trabalho.

Na comparação com as principais cidades da região, Jales – a única a registrar saldo negativo – foi quem apresentou o pior desempenho em março, repetindo o que já havia acontecido em fevereiro deste ano. Santa Fé do Sul, por exemplo, registrou um saldo positivo de 27 novos postos de trabalho, chegando a 135 novos empregos formais gerados no primeiro trimestre do ano. De sua parte, Votuporanga contabilizou a geração de 172 vagas de trabalho em março e já soma 230 novos empregos no trimestre. Em Santa Fé do Sul, a Indústria foi o principal destaque de março, abrindo 36 empregos, enquanto em Votuporanga os destaques foram os setores de Serviços, que abriu 132 novos empregos, e da Indústria, que produziu mais 51.

De seu lado, Fernandópolis – que tinha gerado incríveis 928 novos empregos em fevereiro – produziu somente 98 novos postos em março, chegando, no primeiro trimestre, à geração de 1001 novos empregos. Os principais geradores de empregos em Fernandópolis, em março, foram a Construção Civil (+75) e a Indústria (+36), enquanto o setor do Comércio foi mal, fechando nada menos que 52 postos de trabalho.

Pequenos municípios

Entre os 21 pequenos municípios que integram a microrregião de Jales, o melhor resultado, em março, foi de Urânia, que abriu nada menos que 48 novos empregos. Com o saldo positivo de março, Urânia já contabiliza 84 novos empregos criados no primeiro trimestre de 2019, seguida por Santa Clara D’Oeste (+26) e Populina (+19). O destaque negativo de março, entre os pequenos municípios, foi Santa Albertina, que fechou 30 empregos. Como já tinha produzido 32 novos empregos em janeiro e fechado 05 em fevereiro, Santa Albertina chega ao final do primeiro trimestre com saldo negativo de 03 empregos fechados.

0 Comentários

Deixe um Comentário

10 + 6 =

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password