Fisav quer garantia para realizar festa no ano que vem

A diretoria da Expô/Fisav se reúne amanhã com o  prefeito Junior Marão. Na pauta, a comissão organizadora quer respostas: o Centro de Eventos ficará pronto em 2014 para a festa ser realizada no local ou caberá novamente uma área emprestada temporariamente, semelhante ao que aconteceu neste ano?
De mãos atadas
O presidente da festa, José Euclides Koguchi, disse que o encontro deveria ter ocorrido na quarta-feira, mas que devido aos compromissos do prefeito, precisou ser adiado para amanhã.
Enquanto isso, a organização está de mãos atadas e na incerteza de que a cidade tenha a festa em 2014. 
“Enquanto não tivermos uma posição definida não faremos o evento. Entre muitos os fatores, o principal é que não queremos passar o que vivemos neste ano”, disparou Koguchi.
Para ele, a Expô só acontecerá se o acesso ao local e incentivo ao público forem oferecidos. “Não queremos nos arrepender, só faremos se tivermos uma certeza”, disse. 
Em relação ao Centro de Eventos, ainda é cedo para que o Fisav assuma um compromisso de investir no local. “Pode ser que no futuro façamos algo, mas agora não, até porque não temos o que executar”, frisou.
Quanto à presença de público na Expô deste ano, Koguchi tem somente que agradecer. “As pessoas passavam pelo local onde seria realizada a festa e não acreditavam, tinham dúvidas. Com a estrutura montada de palcos, camarotes e demais áreas, viram que tudo estava se consolidando. A venda das permanentes tiveram um impulso muito grande na última semana e eu só tenho que agradecer quem nos prestigiou”, falou.
Sem local
A realização ou não da festa em 2013 devido à falta de local foi notícia exclusiva do jornal A Cidade em 22 de maio.
No dia seguinte, o prefeito Junior Marão e a comissão organizadora da festa reuniram a imprensa para divulgar que a empresa Facchini cederia a área para o evento, onde será construído o 7.º Distrito Industrial, localizado às margens da rodovia Euclides da Cunha (SP-320), próximo ao quilômetro 506. 
O Centro de Eventos, área que a festa estava programada para acontecer neste ano, não foi utilizado por vários motivos. O primeiro é que a área rural, próxima ao trevo de Parisi, seria de acesso perigoso e precisaria de autorização do DER (Departamento de Estradas de Rodagem), além de ser necessário o aval da Cetesb para a utilização da área no âmbito ambiental (que poderia demorar até 90 dias). (Karoline Bianconi – A Cidade)

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password