Fernandopolense tem auxílio emergencial negado por motivo bizarro

Desde o início da quarentena, o músico e artista plástico Silvio Carlos de Oliveira Rybezynski, 39 anos, tem enfrentado uma verdadeira batalha para conseguir ter seu auxílio emergencial aprovado. Sem poder trabalhar, contava com o auxílio do governo, mas o sistema da Caixa informa que ele é político eleito.

Morador do Jardim Urano, Silvio dependia da renda de maquiagens artísticas em crianças em eventos e shoppings da cidade. Ao tentar o auxílio pela primeira vez, Silvio deparou com a informação de que possuía emprego formal vinculado ao Regime de Previdência dos Servidores Públicos (RPPS), posto que ele nunca ocupou na vida. Nas outras tentativas, o recurso foi negado por dois motivos: cidadão político eleito e cidadão que exerce mandado eletivo. Em 2016, foi candidato a vereador em Fernandópolis, mas não obteve votos suficientes.

Sem nunca ter ocupado cargo político, a primeira coisa que fez foi procurar uma agência da Caixa Econômica Federal, onde foi informado de que o correspondente efetuava apenas o pagamento, não sendo responsável por estas informações. Desse modo, Silvio enviou um e-mail para a ouvidoria da Dataprev (Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência), solicitando a informação sobre esse possível vínculo.

Após várias tentativas, não obteve retorno e resolveu procurar informações na internet, onde descobriu que quem teve auxílio negado poderia recorrer pelo próprio sistema de cadastro, ação que também não conseguiu efetuar, tendo o pedido expirado no site do Governo Federal depois de tentar solicitar a contestação da decisão e não encontrar a opção disponível para seus dados.

Na tentativa de resolver a situação, ele chegou a procurar os Correios e o Centro de Referência de Assistência Social do Brasil (Cras), mas também não conseguiu ajuda. “Me sinto roubado pelo governo que tira nossos impostos e distribui não se sabe pra quem. A loja em que minha esposa trabalha fechou, então na hora que preciso, não tenho e não consigo resolver”, disse o músico.

Urupês
Situação semelhante aconteceu nesta semana com uma cuidadora de idosos, de 50 anos, em Urupês. Candidata à vereadora em 2016 no município, ela não teve votos suficientes para ocupar o cargo, mas descobriu, ao tentar o auxílio emergencial, que seu nome consta como cidadã política eleita.

Sem saber o que fazer, foi orientada por um advogado a fazer sua reclamação no Fala.BR, Plataforma Integrada de Ouvidoria e Acesso à Informação, mas até o momento não obteve retorno.

A reportagem procurou a assessoria de imprensa da Caixa Econômica Federal, que esclareceu, em nota, que a análise para o recebimento do Auxílio Emergencial é feita pela Dataprev, que é a instituição do Governo Federal responsável pela verificação se o cidadão cumpre todas as exigências previstas na Lei.

O banco disse, ainda, que a homologação da análise é realizada pelo Ministério da Cidadania e que a Caixa é apenas responsável pelo pagamento do Auxílio Emergencial. A nota informou também que após a análise dos dados do trabalhador pela Dataprev, se o retorno for “Dados inconclusivos”, será permitido ao cidadão realizar nova solicitação.

Se o resultado for “Benefício não aprovado”, o cidadão poderá contestar o motivo da não aprovação ou realizar a correção de dados por meio de nova solicitação. Tais solicitações deverão ser feitas através do APP Caixa Auxílio Emergencial ou do site auxilio.caixa.gov.br. Após a finalização do cadastro ou da contestação, os dados informados pelo cidadão serão analisados novamente pela Dataprev.

Região Noroeste.

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password