Evento-teste inaugura Itaquerão, a casa do Corinthians

O relógio marcava 10h12 quando o ex-presidente corintiano Andrés Sanchez, responsável pelas obras do Itaquerão, deu o pontapé inicial para o primeiro jogo na nova casa do Corinthians, nesta quinta-feira. Ele foi jogado para cima pelos “funcionários-atletas” de Guerreiros Odebrecht 1 e Guerreiros Odebrecht 2. A partida entre os funcionários da obra foi o primeiro evento-teste do palco da abertura da Copa do Mundo, dia 12 de junho.

 

A partida festiva começou três minutos após Andrés rolar a bola. Antes, foi prestado um minuto de silêncio pela morte de três funcionários na obra, Fábio Luiz Pereira, Ronaldo Oliveira dos Santos e Fabio Hamilton da Cruz. E também ao ídolo Ayrton Senna, morto há 20 anos e que era torcedor do Corinthians.

 

Antes, contudo, um padre de Itaquera abençoou a arena e os funcionários. Foi rezado um Pai Nosso, uma Ave Maria e a santidade fez breve oração. Terminou dizendo que “não importa quem vai vencer ou perder, ‘é nóis’”, disse. Familiares e convidados que estavam na arquibancada do setor leste, então, soltaram o “Vai Corinthians”, grito tradicional da torcida alvinegra.

 

Eles estavam ali para uma festa, mas se as faixas diziam “Parabéns, Corinthians. A casa da Fiel está pronta”, e “Obrigado guerreiros e guerreiras, missão dada, missão cumprida”, a realidade era bem diferente.

 

Faltando apenas 17 dias para a abertura oficial, em jogo entre Corinthians e Figueirense, dia 18, às 16 horas, pelo Campeonato Brasileiro, ainda falta muita coisa para ser feita. As arquibancadas móveis ainda estão sendo montadas, faltam cadeiras também nas numeradas e parte do setor oeste. Os camarotes ainda não foram finalizados e parte do acabamento do teto está por fazer.

 

Nesta quinta-feira, enquanto muitos aproveitavam o feriado para fazer festa (após os dois jogos, haverá confraternização com churrasco e sorteio de brindes), muitos funcionários se apressavam em deixar a casa em ordem. O jogo acontecia e eles, de costas, cumpriam a missão de deixar a arena pronta em tempo.

 

Alheio às obras, o engenheiro Eduardo Giovanelli, de 34 anos, marcou, aos 9 minutos do primeiro tempo, o primeiro gol do Itaquerão. Seu time, o Guerreiros Odebrecht 2, contudo, acabou derrotado, de virada, por 2 a 1. Mas o que valeu foi a festa. “Foi uma emoção muito grande. Meu filho (Gabriel) faz 3 anos no dia 6 e foi um presente antecipado pra ele”, ressaltou Giovanelli.

Agência Estado

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password