EUA começam a retirar tropas de duas bases no Afeganistão após acordo com Talibã

Retirada ocorre em momento tenso na política afegã: dois candidatos à Presidência se declararam vencedores nas eleições do país.

As tropas dos Estados Unidos começaram nesta terça-feira (10) a deixar duas bases militares do Afeganistão. A retirada ocorre no momento em que devem começar as negociações de paz entre o governo afegão e o grupo extremista islâmico Talibã, com a violência e a crise política no país como pano de fundo.

Segundo o acordo assinado no mês passado em Doha todas as forças estrangeiras devem abandonar o Afeganistão em um período de 14 meses, desde que o Talibã cumpram seus compromissos na área de segurança. O texto pode colocar um fim à guerra mais longa já enfrentada pelos EUA.

O acordo estipula que o governo dos Estados Unidos tem que reduzir inicialmente o contingente no Afeganistão de 12 mil para 8,6 mil até meados de julho. Além disso, os norte-americanos devem fechar cinco das 20 bases que têm no país.

Os militares começaram a abandonar uma base em Lashkar Gah, capital da província de Helmand (sul), e outra em Herat (leste), informou à AFP uma fonte norte-americana que pediu anonimato.

EUA ainda observam violência

Apesar das saídas, as forças americanas mantêm “todos os recursos militares e a autoridade para cumprir seus objetivos”, afirmou na segunda-feira o coronel Sonny Leggett, porta-voz do contingente americano.

Helmand, que ao lado da província vizinha de Kandahar é considerada um reduto dos talibãs, foi cenário dos confrontos mais violentos da guerra que começou há 18 anos.

Omar Zwak, porta-voz do governador de Helmand, disse à AFP que entre 20 e 30 estrangeiros deixaram Lashkar Gah desde o fim de semana.

Crise no Afeganistão

Após o acordo, os talibãs, que afirmam ter conquistado uma “vitória” contra os Estados Unidos, continuam executando ataques de baixa intensidade contra as forças afegãs. Até o momento, as forças americanas responderam a apenas alguns deles.

Segundo os termos do acordo de retirada das tropas estrangeiras, o Talibã deve impedir as ações dos jihadistas e de grupos como o Estado Islâmico ou a Al-Qaeda, além de iniciar negociações com o governo afegão.

Porém, o governo do Afeganistão enfrenta uma situação caótica e parece incapaz de apresentar uma frente unida nas negociações com o Talibã.

Tanto o chefe de Estado oficialmente reeleito, Ashraf Ghani, como o opositor Abdullah Abdullah — que alegou fraudes nas eleições — se declararam presidentes, em cerimônias paralelas, o que levou o país a uma crise institucional.

Washington expressou na segunda-feira sua firme oposição à formação de um “governo paralelo” no Afeganistão.

“Nos opomos firmemente a qualquer ação para estabelecer um governo paralelo e qualquer uso da força para resolver as divergências políticas”, afirmou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Tudo isto acontece no momento em que deveria começar o diálogo dentro do Afeganistão, com talibãs, autoridades do governo, da oposição e da sociedade civil, para tentar encontrar uma área de consenso sobre o futuro do país. A divisão dentro do Executivo enfraquecerá o governo afegão e reforçará as posições insurgentes, afirmam os analistas.

FONTE: Informações | g1.globo.com

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password