Emerson Sheik diz ter chorado ao saber que não seria trocado por Dedé

O atacante Emerson viveu os mais diversos tipos de momentos no Corinthians. Herói da inédita conquista da Taça Libertadores da América, no ano passado, o jogador atravessou problemas sérios no início desta temporada. Faltou a treinos, voltou a ter imbróglio com o Ministério Público, foi para o banco de reservas e chegou a ser cogitado como moeda de troca para a chegada do zagueiro Dedé. Fato este que o Timão descartou, levando Sheik às lágrimas, de emoção.

A possibilidade de ser trocado com o Vasco deixou Emerson preocupado. O atacante se disse feliz por ser sondado por um dos maiores clubes do Brasil, mas esclareceu que jamais pensou em colocar um ponto final em sua trajetória no Corinthians desta maneira. Ofertas para sair, especialmente do Oriente Médio, não faltam. A intenção do jogador, atualmente com 34 anos, é encerrar a carreira no clube do Parque São Jorge.

– Um jornal no Rio lançou uma foto minha com o Dedé, e eu recebi através de um amigo meu. Ele me perguntou se eu estava indo para lá… O Vasco é grande demais, meu pai era vascaíno, meu irmão também é, mas a paixão pelo Corinthians é maior que qualquer coisa. Eu vi aquilo e falei: “P…, não é possível. Meu final aqui não pode ser assim”. Quando eu vi a posição do Corinthians chorei pra cacete. Mostra o carinho que a instituição tem comigo – afirmou.

– Eu quero jogar enquanto aguentar, mas aguentar de verdade. Não quero roubar. Não quero estar aqui se não puder jogar com intensidade e agressividade, sendo participativo e competitivo. Sempre deixei isso claro. Recebi muitas ligações, mas minha prioridade é o Corinthians. Sempre será – argumentou.

A chegada de Alexandre Pato, contratado do Milan por R$ 40 milhões, somada aos atrasos em treinos e à má fase atravessada por Emerson colocou o atacante no banco de reservas. Sincero, ele justificou as chegadas fora do horário aos treinamentos, mas não contestou a decisão da diretoria em multá-lo (o valor não foi divulgado).

O problema teria acontecido devido à ausência da babá que cuidava de seus filhos, Emerson Filho e Henry. “Viciado” nos pequenos garotos, como ele mesmo define, Sheik disse ter ficado com medo quando foi acusado pelo Ministério Público por contrabando de veículos, em fevereiro deste ano. Temeroso em manchar a própria imagem com os filhos, o atacante se revoltou com o contexto que envolveu a ação movida pela Polícia Federal.

– Tenho a consciência tranquila de que não fiz nada de errado, mas é lógico que tenho medo. Foram mais de 100 carros apreendidos, mas só meu nome fica em pauta toda hora. Entendo que sou o Emerson, que joga no Corinthians, mas não participei de nada. Posso comprar um carro com o dinheiro do meu trabalho sem ter de me envolver em coisa errada – desabafou.

Enquanto isso, dentro de campo…

Emerson é fã de jogos decisivos. Gosta de entrar em campo em clássicos e partidas “quentes”. Foi o protagonista da vitória do Corinthians por 2 a 0 sobre o Boca Juniors, no segundo jogo da final da Libertadores do ano passado: não só por marcar dois gols, mas por reverter a catimba argentina, provocando os zagueiros os adversários durante os 90 minutos. Prestes a iniciar a disputa no mata-mata da competição continental, ele assegurou que não tem qualquer preferência por adversário, embora prefira não jogar contra brasileiros.

– No ano passado ganhamos a Libertadores sem escolher adversários. Temos de trazer a experiência de 2012 para esse ano. Não quero nem saber, que venha qualquer um. É lógico que é bom enfrentar os mais fracos e não jogar contra brasileiros, mas não dá pra ficar escolhendo.

 

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password