EM PEREIRA BARRETO: homem diz ter sido sequestrado e agredido por falsos policiais

Um homem de 47 anos procurou a polícia para denunciar que foi sequestrado na noite deste domingo, 16, em Pereira Barreto. Ele informou, no boletim de ocorrência, que foi abordado por dois homens que disseram ser policiais civis que disseram que o levaria até a delegacia de Bauru. O homem foi trazido para Rio Preto onde foi espancado.

De acordo com o boletim de ocorrência, mesmo depois de ser levado pelos supostos policiais, o homem conseguiu fazer contato com a irmã por telefone. Durante as ligações, ele informou que havia sido abordado pelos homens e seria levado para Bauru. Os homens, inclusive, passaram um telefone que seria da delegacia.

Desconfiada, a irmã procurou ajuda em uma base de Polícia Rodoviária Estadual, na rodovia Washigton Luis. Lá, ela foi informada que o número de telefone passado pelos dois suspeitos não correspondia com o da delegacia, o que levantou a suspeita de um possível sequestro.

A vítima, que pediu para não ser identificado, conta que foi trazida para Rio Preto e antes de ser liberada foi espancada pelos dois homens. “Eu percebi que eles não eram policiais e tentando conversar com minha irmã tentei combinar um jeito de escapar. Eles me levaram para a rua do antigo IPA e falaram que iria me matar”.

Ainda segundo a vítima, a segurança de uma empresa foi quem acionou a polícia. “Depois de me baterem, eles falaram que precisavam de uma foto para provar que tinham me matado. Acho que não me mataram porque falei que era um homem trabalhador, mas me espancaram e me amarraram com fios no meio do mato. Eu consegui me desamarrar e chegar até uma empresa, onde pedi ajuda para uma segurança que acionou a Polícia” contou a vítima.

A vítima foi socorrida até a UPA Tangará. Em contato com a polícia, ele informou a placa do veículo utilizado pelos suspeitos. A dupla foi abordada pela polícia no pedágio de Itirapina, e depois de serem questionados pelos policiais confessaram o sequestro. Eles estavam em um Chevrolet Splin com placa de Guarulhos. Os dois permanecem presos. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

0 Comentários

Deixe um Comentário

5 × cinco =

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password