Economista traz dicas para quem está com dívidas melhorar o orçamento financeiro até o fim do ano

O ano está na metade e muitas pessoas não sabem como economizar para chegar ao fim do ano sem dívidas

 

O país vive um momento de crise financeira e econômica, isso reflete diretamente nos municípios. O ano está na metade e muitas pessoas não sabem como economizar para chegar ao fim do ano sem dívidas. Para esclarecer algumas dúvidas, o A Cidade entrevistou o economista Juny Figueiredo, docente nas matérias de Economia Brasileira e Gestão na faculdade Futura em Votuporanga. Ele apresenta algumas dicas para quem está com as contas no vermelho possa melhorar o orçamento nos próximos meses, e fechar o ano com as finanças equilibradas.

 

A Cidade: Quem já está endividado, ainda dá tempo de conseguir equilibrar as finanças até o fim do ano? O que a pessoa deve fazer?

Juny: Quem está endividado, precisa urgente equilibrar as finanças. E para começar, deve sentar e colocar  no papel todas as dívidas para ter uma posição real da sua situação financeira. E a partir deste levantamento, traçar um plano de recuperação.

 

A Cidade: É possível economizar em um semestre para garantir um final de ano melhor?

Juny: Sim, e acrescento, é possível economizar a qualquer  momento do ano. Economizar deve ser um hábito, exercitado durante todo o ano.

 

A Cidade: O que fazer para não chegar ao final do ano com dívidas?

Juny: Fazer um levantamento da situação financeira atual, levantar o que é supérfluo e cortar essas despesas. Trocar dívidas com taxas de juros mais elevadas como, por exemplo, dívidas com cartão de crédito e cheque especial por dívidas com taxas de juros mais baixas, como empréstimo consignado e pessoal.

 

A Cidade: Algumas empresas costumam pagar metade do 13º salário no meio do ano. Neste momento que o país vive, qual a melhor coisa a fazer com o 13°?

Juny: Neste atual cenário, você deve utilizar o 13º para pagar suas dívidas com taxas de juros mais elevadas, como cartões de crédito e cheque especial. Se por acaso não estiver com orçamento comprometido com dívidas, deve-se poupar esse dinheiro e investi-lo.

 

A Cidade: Dívidas com o cartão de crédito e cheque especial, como negociá-las e fugir dos juros exorbitantes?

Juny: Deve-se dar prioridade ao pagamento dessas dívidas, e pagá-las somente após uma negociação. Caso não seja possível, deve-se procurar fazer um empréstimo consignado ou pessoal, e utilizá-la para pagar as dúvidas com cartão de crédito e cheque especial. Desta maneira, estarei trocando uma dívida mais cara por uma com juros menores.

 

A Cidade: Quem está sem contas acumuladas, guardar na poupança é um bom caminho para já planejar o próximo ano?

Juny: A poupança hoje rende menos que a inflação. Existem hoje investimentos muito mais interessantes e até mais seguros que a poupança.

 

A Cidade: Quais outros investimentos são interessantes no momento?

Juny: Eu recomendaria o investimento em CDC e principalmente no Tesouro direto, que estão oferecendo taxas de juros superiores a 12% ao ano, e no caso do tesouro direto possuem uma segurança maior que a poupança.

 

A Cidade: Qual a sua avaliação do cenário municipal econômico no primeiro semestre?

Juny: O município, como é parte do nosso país, é afetado pela situação econômica nacional, e vive também uma crise financeira, que afeta praticamente todos os setores.

 

A Cidade: Como deve ser o segundo semestre na cidade?

Juny: Deve-se ter um aprofundamento da crise, como em todo o Brasil.

 

A Cidade: Há a possibilidade de melhora na geração de empregos?

Juny: Não há uma perspectiva de melhora na geração de empregos, pelo menos pelos próximos 12 meses.

 

A Cidade: O que a indústria deve fazer para se reerguer depois de tantos postos de trabalho fechados no município?

Juny: Deve focar na melhoria dos processos industriais, na otimização de suas despesas, em um processo eficiente de gestão financeira e comercial e na melhoria dos seus produtos.

 

A Cidade: Os que estão desempregados, o que devem procurar para fazer no momento?

Juny: Uma sugestão que dou aos desempregados é procurar melhorar sua capacitação, fazendo cursos oferecidos no mercado. A Prefeitura e outros órgãos oferecem vários cursos gratuitamente, que possibilitam a melhoria de renda das famílias. Em alguns casos, o trabalhador deve buscar uma nova profissão, que esteja oferecendo mais oportunidades no atual cenário. O importante é fazer uma análise de sua situação financeira e profissional e, após esta reflexão, procurar as melhores alternativas existentes no mercado profissional.

Isabela Jardinetti

 

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password