Dólar fecha em queda pelo segundo dia, após enfrentar instabilidade

O dólar fechou em queda de 0,49% nesta quinta-feira (24), pelo segundo dia seguido, cotado a R$ 2,029, em um dia de forte instabilidade nas negociações. A moeda se desvalorizou no início das negociações, mas mudou de trajetória após intervenção do Banco Central no sentido de conter a valorização da divisa.

Na semana, a moeda acumula valorização de 0,53%. No mês maio, o dólar já subiu 6,4% e no ano, a valorização foi de 8,6%.

Antes de fechar, a moeda mudou de direção diversas vezes durante o dia e chegou a operar perto da estabilidade até fechar. O dólar chegou a ser cotado a R$ 2,0530 pela manhã, mas recuou no meio do dia após o Banco Central anunciar um leilão de swap cambial tradicional, operação que equivale a uma venda de dólares no mercado futuro.

O BC fez um novo leilão de swap, ofertando até 40 mil contratos para dois vencimentos, dos quais vendeu 28,25%, ou 11.300 contratos. Foram ofertados menos contratos do que na véspera, mas o volume ainda foi considerado significativo para operadores. Segundo eles, a autoridade monetária está indicando que pode atuar com mais frequência, ajudando a manter a divisa norte-americana mais comportada, apesar do cenário de aversão ao risco no exterior ainda trazer um potencial de alta para a moeda.

Foi o terceiro dia seguido de atuações. Na quarta, o BC ofertou um lote de até 80.000 contratos com dois vencimentos, vendendo 26.400 contratos. Uma atuação que, mesmo sendo de apenas 1 terço da oferta, operadores acreditaram ter sido suficiente para levar à queda do dólar. Na terça, a atuação não conteve a alta da moeda. O BC realizou dois leilões de swap cambial tradicional, ofertando contratos com vencimento em 2 de julho de 2012, tentando anular os contratos de swap cambial reverso, no total de US$ 2,470 bilhões, que vencem na mesma data.

“O mercado está começando a assimilar que não adianta peitar o BC ou entrar em pânico. O BC está atento… Acho que o mercado continua tranquilo, mas o dólar pode se manter pressionado por conta do exterior. Tem certa pressão externa ainda”, disse o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

Para Galhardo, as ofertas do BC foram significativas e maiores do que a demanda do mercado por dólares, e, por isso, foram vendidos poucos contratos. No entanto, o gerente destaca que o mais importante foi a sinalização dada pela instituição. “Até terça-feira, o BC fez swap mirando ainda os contratos de swap reverso que estavam para vencer. Já a partir de ontem fez (swap) para mostrar quem é que comanda”, avaliou.

Com essa nova atuação do BC, a divisa norte-americana fechou descolada do exterior. Por conta de um cenário ainda de cautela e preocupação em relação à Europa, o dólar subia, às 17h38 (horário de Brasília), 0,28% ante uma cesta de divisas, enquanto o euro caía 0,48%

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password