Diretora de Ensino diz que fogo em cortina de escola foi “ato isolado”

A menos de um mês, a ocorrência de incêndio provocado por aluno em uma cortina em determinada sala de aula provocou grande alvoroço na escola EEPIM. O setor de investigações da policia civil apurou que o autor foi o aluno P.H.S, de 15 anos.

Em entrevista a uma emissora de rádio da cidade, a Diretora Regional de Ensino Marlene Jacomassi afirmou tratar-se de um fato isolado, que já está superado e é coisa do passado, “isso tudo graças à atuação da direção da escola e toda a equipe de educadores e de apoio”.

A Dirigente disse que o apoio do poder judiciário, conselho tutelar, policia militar e guarda municipal tem sido fundamental no auxilio a direção da EEPIM.

A diretora informou que os acontecimentos foram reprimidos pelo regimento escolar e por demais medidas necessárias, inclusive com lavratura de boletim de ocorrências. “Esse fato ocorrido no período da tarde vem somar há algumas situações ocorridas no estado, os jovens infelizmente tem algumas manifestações negativas” declarou Marlene.

Para a diretora as ocorrências foram ações orquestradas por um grupo de alunos, que porem foram dissipadas e que a escola já esta na normalidade, afirmando ainda que os pais podem se tranquilizar que a situação está sob controle. “Foi um momento de descontrole dos alunos”.

De acordo com Jacomassi, o sistema de proteção escolar foi comunicado e a instituição está contando com o apoio da polícia militar também.

Quanto às manifestações em redes sociais destas ocorrências se darem por conta de superlotação da escola, a dirigente foi categórica em afirmar que a instituição acomoda a demanda, e que a EEPIM é uma grande escola.

A realidade é que estes atos de vandalismos tem se tornado cada vez mais frequentes na instituição, apesar dos esforços e tentativas de contenção imediata da direção da escola frente a estas ações os fatos vem ocorrendo.

Segundo informações de funcionários da escola, nota-se um crescimento destas ações neste inicio de ano, principalmente por parte de alunos recém-chegados. Fato é que “ações isoladas” ou não, frequentemente se tem notícia de atos de vandalismos na instituição, depredação do patrimônio público, agressões físicas entre alunos, bombas, e “fogo nas cortinas”, ou seja, infelizmente não se trata de ato isolado.

Mesmo com todo o apoio a direção da escola citado pela diretora Marlene a tarefa é árdua aos dirigentes, principalmente quando os pais se isentam das responsabilidades ou alegam não darem conta dos filhos. Educação tem de vir do berço e cabe a família responsabilizar-se por isso.

Se cada família praticasse esta máxima: Educar os filhos dentro de princípios morais e boas maneiras, com certeza não teríamos professores e funcionários de escolas frustrados e exauridos devido à falta de educação e respeito de muitas crianças e adolescentes.

O aluno que chega a escola sem o mínimo de educação familiar, provoca uma série de problemas que desencadeiam a indisciplina e tumultuam o andamento das atividades na sala de aula, e que por esta razão, muitas vezes, inviabiliza que o aprendizado ocorra de maneira satisfatória.

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password