Defensoria faz acordos com vítimas de descarrilamento em Rio Preto

A Defensoria Pública de São Paulo, em São José do Rio Preto (SP), promoveu no último mês nove acordos de conciliação entre a América Latina Logística (ALL) e famílias afetadas pelodescarrilamento de trem que matou oito pessoas em novembro de 2013, quando uma composição carregada com milho descarrilou no bairro Jardim Conceição, invadiu duas casas e provocou a morte de oito pessoas.

A Defensoria e ALL firmaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) pelo qual a empresa se compromete a reparar danos decorrentes do descarrilamento. Os noves acordos já celebrados são fruto desse TAC. Em cinco casos, a ALL irá prestar assistência às famílias afetadas, com o pagamento de aluguel, pensão, aquisição de bens de primeira necessidade, serviços de saúde, entre outros. Os benefícios são provisórios e serão mantidos até que os danos ao patrimônio das pessoas sejam definitivamente sanados.

Em outros quatro casos, houve acordo para que as vítimas que tiveram suas casas danificadas recebam indenizações definitivas. Os valores são sigilosos. “Na justiça comum, poderia levar muito tempo para que o caso fosse analisado e as pessoas ficariam desassistidas enquanto aguardassem por uma decisão”, disse o defensor público Júlio César Tanone, responsável por intermediar as tratativas.

Já o delegado Laércio Ceneviva, que investiga o descarrilamento com o trem, vai ouvir nesta semana quatro testemunhas do acidente. O delegado disse ainda que o laudo pericial deve ser concluído até o final do mês e, só então, o inquérito será concluído.

Relembre o caso
Nove composições carregadas com milho descarrilaram por volta das 17h do domingo, 24 de novembro, no Jardim Conceição, em Rio Preto, atingindo duas casas e afetando outras duas. Foram confirmadas oito mortes, entre os mortos estão duas crianças (de 2 e 6 anos), quatro mulheres e dois homens. Outras sete pessoas foram socorridas pelas equipes de resgate do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e encaminhadas para o Hospital de Base e a Santa Casa da cidade.

Em nota ao G1, a ALL disse que  “a concessionária responsável pela operação no trecho lamenta profundamente a fatalidade ocorrida e se solidariza às famílias e vitimas, a quem dará todo suporte e apoio. Por meio do centro que controla remotamente, via satélite, toda a operação, a empresa confirmou que a composição transitava dentro dos limites de velocidade do trecho. As causas do acidente serão investigadas por meio de sindicância”.

 

G1

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password