Contador é nomeado para recuperar Água Viva Thermas Clube

O juiz titular da 1ª Vara Cível de Fernandópolis, Fabiano da Silva Moreno, nomeou o contador Marcos Antonio Fontes como administrador judicial do Thermas do Anhanguera, mantenedor do Água Viva, clube social e de lazer que conta com 2 mil sócios. O clube, segundo a Justiça, está em processo de recuperação judicial e falência.

O engenheiro civil Fernando Jesus Caldas avaliou a área em R$ 13 milhões. Ao todo, são R$ 2,944.688,50 o valor da terra nua e R$ 10.088.340,50 sobre as edificações. A intenção do contador é sanar todos os problemas financeiros e impedir gastos para recuperar o clube, criado na década de 70.

“Com gerência o Thermas é viável”, acentuou Fontes. A homologação do contador está amparada no artigo 24 da Lei de Recuperação Judicial e Falência. Em 2014, o juiz da 1ª Vara Cível de Fernandópolis, Evandro Pelarin, homologou o plano de recuperação judicial da Thermas do Anhangeura S/A, nos termos da Assembléia Geral de Credores realizada em 26/6/2013, que passou a fazer parte do plano já aprovado e que fundamentou a recuperação judicial ora concedida.

A empresa terá cinco dias para efetuar o pagamento (depósito) da primeira parcela vencida em 26 de janeiro de 2014. Uma das empresas credores é a Telefônica Brasil S/A e a Fazenda Nacional. Além disso, figuram como credores Fazenda Pública do Estado de São Paulo Aparecida de Lourdes Souza da Silva Sidnei Aparecido Queiroz Fazenda Pública do Município de Fernandópolis Aparecida Donizeti Gomes dos Santos Ana Lúcia da Costa Santos Aparecida Cleuza Cezarini da Silva Luiz Carlos Pereira Armindo de Souza Eduarda Albino Rodrigues Nicodemo Vanderlei Belentani Valdivina Aparecida Prata dos Santos Maria Aparecida Calente Lima Valéria Gianini de Oliveira Edimilson Balbino de Souza Eurípedes Amâncio Paula Gisele Gonçalves da Cruz Osmarino Pereira de Araújo Selma Lopes Figueira Sildirlei Rosa da Silva Sônia Regina Zampieri Belloni Valdineia Marilei Ducati Zenilda Maria Pereira de Oliveira Andressa Garcia Bonassi Em outubro também de 2014, a Justiça de Fernandópolis havia publicado despacho sobre o edital que vai promover a execução fiscal do Thermas do Anhanguera, o Água Viva. Com a decisão, três leilões foram realizados da área, mas não houve compradores.

O Thermas do Anhanguera ingressou com pedido de recuperação judicial para normatizar os débitos. Com a Fazenda Municipal, os débitos, segundo o Tribunal de Justiça (TJ-SP) são de R$ 1,3 milhão além de R$ 188 mil em execuções ficais propostas pela Prefeitura. Já a divida trabalhista, com os 23 funcionários, os valores contabilizaram R$ 766 mil. Em abril de 2012, a Justiça do Trabalho afastou a diretoria do clube, em virtude a débitos trabalhistas não cumpridos a 42 ex-empregados.

Também por meio de despacho a Justiça atestou que o clube Thermas do Anhanguera S.A., como processo de recuperação judicial, comprove a regularidade fiscal mediante aos autos das certidões competentes, ou comprovante de deferimento de inclusão do REFIS (Programa de Recuperação Fiscal), no prazo de 20 dias.

A empresa ingressou com pedido de recuperação judicial para normatizar os débitos. Com a Fazenda Municipal , os débitos, segundo o Tribunal de Justiça (TJ-SP) são de R$1.239.208,68 além de R$ 65.892,61 e R$ 120.755,73, em execuções ficais propostas pela Prefeitura. Já a divida trabalhista, com cerca de 23 funcionários, os valores contabilizaram R$ 765.936,33 Em abril de 2012, a Justiça do Trabalho afastou a diretoria do clube, em virtude a débitos trabalhistas não cumpridos a 42 ex-empregados.O débito passa dos R$ 7 milhões.

EthosOnline

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password