Cai a média de filhos por família, no Brasil

A população de idosos brasileiros tende a dobrar de tamanho; filhos e netos terão mais chances de conviver junto aos avôs e bisavós 

Um ano que entra para a história da humanidade. Catástrofes ambientais, crise econômica e política, mudanças sociais… tudo passa por evolução constante. Mas 2015 vai ser lembrado como o início de um novo capítulo na história. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), até dezembro, a população de crianças com menos de 5 anos será ultrapassada pela faixa de idosos com mais de 65 anos de idade. Em Votuporanga, segundo a Secretaria Municipal de Saúde 8870 bebês nasceram, de 2006 a 2014.

Reflexo
A geração conhecida por bumerangue se inicia justamente diante de inúmeras crises anunciadas. Gente que saiu da casa dos pais, não conseguiu arcar com os próprios gastos e se viu de volta ao ponto de partida.
Outro ponto em destaque é a questão de que, pela primeira vez na história, os idosos vivem melhor se comparados a qualquer outra fatia da população. Ao contrário de todo este gás da 3ª idade, está o número de jovens, que por determinados motivos, não fazem parte da população economicamente ativa do País, de acordo com dados do Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios). Mais de 60% da população na faixa entre 18 e 29 anos, que vivem em áreas urbanas, moram com os pais, incluindo tanto os solteiros como os que já iniciaram a própria família.

Inversão
Esta inversão econômica, na qual os idosos estão vivendo mais tempo e menos crianças nascendo, pode representar futuramente um afrouxo econômico. Embora haja idosos ativos financeiramente, o desequilíbrio pode ser inevitável, pois o número de idosos vai ser maior do que o de adultos.

Transformação
A população de idosos brasileiros tende a dobrar de tamanho em apenas duas décadas. Um dos motivos é o aumento da expectativa de vida, que já ultrapassa os 73 anos. Outro fator importante é a diminuição na taxa de fecundidade; para se manter a proporção de idosos, a quantidade de nascimentos por mulher deve ficar acima de dois, mas esta realidade já deixou de existir desde 2006, em pelo menos 44 países desenvolvidos. No Brasil, este índice na década de 40 era de 6,16 filhos por família; hoje, quase 70 anos depois, a média está em 1,9 filhos.
O envelhecer da população pode se definir em uma única palavra: transformação. Nunca tantas gerações diferentes conviveram ao mesmo tempo. Filhos e netos terão mais chances de coexistir junto aos avôs e bisavós do que qualquer outra geração da história.
Adaptações nos eixos das famílias precisam ser feitas com maior frequência, bem como adequações no ambiente e na estrutura familiar, para suportar diferentes gerações.

Brisas suaves 
Cardiopatia, pneumonia, catarata, perda de audição, mal de Alzheimer, diabetes, enfisema pulmonar e bronquite crônica essas são algumas doenças comuns entre pessoas de idade avançada.
Com a melhor qualidade e o aumento na expectativa de vida, os votuporanguenses também vivem mais. Doenças mais comuns na terceira idade podem ser tratadas e, muitas vezes, prevenidas.
Maria Lorena Casali, que completou 81 anos na última segunda-feira, é um exemplo de disposição. Segundo ela, logo de madrugada, assim que seu galo bem velho começa a cantar, ela pega seu chapéu de crochê e sai para caminhar.
“Ando quase um quilômetro todas as manhãs,” disse a orgulhosa, Dona Maria como é conhecida. Ela participa de um grupo da 3ª idade, vai a bailes de dança e se diverte como nunca. “Sinto-me animada e pra cima”, afirmou a senhora.
Dados oficiais da Secretaria de Saúde apontam que 8870 crianças nasceram do ano de 2006 até 2014. A equipe do Diário solicitou os dados de toda a última década, porém, a Secretaria disponibilizou somente os anos citados anteriormente que apontam também o falecimento de quase 50 crianças durante o parto.

Munícipes
Segundo o IBGE, em 2010, a população votuporanguense era de 84.692 pessoas. Hoje, o índice está na casa dos 90.508, ou seja, um aumento de quase 7 % nos 5 anos. Proporcionalmente, a população deve chegar a mais de 120.000 pessoas em 2020.

Estudantes
Em 2005 a média de estudantes segundo o IBGE nas escolas municipais, estaduais e federais nos ensino fundamental, médio e pré-escolar era de 16.532 anos matriculados. Em 2012, esse número caiu em 12%, mesmo havendo um número maior de legislação e comprometimento de órgãos públicos no incentivo à educação; o número de crianças diminuiu significativamente 12% indo de 16.532 para 14.542.

Infraestrutura
A qualidade de vida é o principal fator para o aumento no número de idosos. Pensando nisso, a Prefeitura de Votuporanga oferece uma série de programas voltados à terceira idade, por meio do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos à Pessoa Idosa oferecido pelas unidades da Secretaria de Assistência Social.
O Cras (Centro de Referência de Assistência Social) Norte tem dois grupos com 80 idosos no total. A programação é variada com oficinas de dança, atividades socioeducativas abordando envelhecimento saudável, questões de saúde e sexualidade na terceira idade. Os encontros acontecem às terças e quartas e as aulas de dança às quintas-feiras.
No Cras Sul, são três grupos, com 92 idosos no total. De quarta a sexta-feira acontecem os encontros semanais e as aulas de danças ocorrem às segundas-feiras. As ações visam o fortalecimento da convivência em grupo. Já no Cras Leste, são atendidos 33 idosos que se reúnem às terças e quintas com mais uma aula de dança às terças-feiras e oficina de canto às quintas.
Os idosos também têm o Centro de Convivência à sua disposição. A unidade funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 11h e das 12h30 às 17h, com natação, hidro, ginástica preventiva, pilates, academia, vôlei, jogos de mesa, dança de salão e atividades recreativas.
“O público da terceira idade tem uma energia que nos renova, sem contar a alegria e a forma intensa que eles vivem e desenvolvem as atividades. É muito prazeroso poder contribuir com essas ações voltadas aos idosos”, disse a secretária de Assistência Social, Marli Beneduzzi Pignatari.
Os votuporanguenses da terceira idade também estão em busca de novos conhecimentos. O Catis (Centro de Acesso às Tecnologias e Inclusão Social), outra unidade da Secretaria de Assistência Social inaugurada no dia 22 de agosto de 2014, no Terminal Rodoviário Prefeito Leônidas Pereira de Almeida, oferece cursos gratuitos nas áreas de informática para iniciantes, para o mercado profissional, para internet e digitação. Embora o órgão atenda público com idade a partir de 15 anos a maior procura são por pessoas com mais de 60 anos.
Na primeira turma formada no ano passado cerca de 40 alunos eram da melhor idade, num total de 66 inscritos. E nesta segunda turma, com 72 participantes, 38 são idosos. Segundo o diretor do Centro de Acesso, José Carlos Leme de Oliveira, este público tem surpreendido pela procura e assiduidade nas aulas. “São pessoas muito interessadas em aprender e se familiarizar com esse universo digital”. (Colaborou: Mateus Paióla)/Diário de Votuporanga

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password