Brunoro chega com prestígio para ser o salvador

Profissionalização. Essa foi a palavra mais enfatizada por José Carlos Brunoro, novo diretor executivo do Palmeiras, apresentado nesta quinta-feira, na Academia. Novo, mas velho conhecido da torcida. Pois, na década de 90, ele foi diretor de esportes da Parmalat na época da cogestão com o Verdão. Parceria que deixou saudade, além de seis títulos na galeria do clube.

Agora, 20 anos mais experiente, como gosta de dizer aos 62 anos de idade, Brunoro volta à cena com a promessa de restruturar o Alviverde.  “Um transatlântico à deriva”, como brincou o recém- empossado presidente Paulo Nobre, nesta quinta, ao lado de seu braço direito.

Brunoro retorna  com a responsabilidade de comandar o departamento de marketing, o futebol amador e profissional, além dos esportes olímpicos do clube. Confira as suas ideias.

A volta
“É um convite muito especial para mim. Durante muito tempo, eu pensava em voltar, até brincava que eu voltaria como presidente, mas  o estatuto não permitiria.   Há alguns meses, o Paulo (Nobre) me mostrou o projeto dele e eu percebi que era muito capacitado.”

Função
“Chego para fazer um trabalho macro. A profissionalização será feita de cima para baixo. O futebol será o carro-chefe. O gerente de futebol está  contratado, não é ninguém conhecido e isso é importante. Vou trabalhar com gente nova. De cara, precisamos conversar com a comissão técnica e ver quais as carências mais urgentes.”

Foco na Série B
“Não podemos pensar diferente. Em 2014, teremos o centenário do Palmeiras na nova Arena. É preciso estar na Primeira Divisão novamente.”

Contratações 
“Não adianta chegar aqui e prometer cinco reforços.   Preciso contratar o que o treinador precisa. Mas não dá para dizer, ainda, quando  eles chegarão.”

Gilson Kleina
“Vai continuar, fez um ótimo trabalho em 2012. Ele caiu porque as circunstâncias eram complicadas. Vamos ter a primeira reunião hoje (quinta) para saber o que ele precisa.”

Carreira
“Minha empresa não participará de nenhuma concorrência  no clube. A única coisa que ela fará, durante um mês, será  um diagnóstico do momento atual do Palmeiras em todas as áreas. Conto com pessoas especializadas e, com rapidez, me trarão relatórios precisos sobre o que está acontecendo.  Quanto à CBB, minha empresa continuará trabalhando com a entidade, mas eu não. Meu tempo será 100% do Verdão.”

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password