Batman é preso durante protesto contra prisões

O protesto contra prisões em manifestações no Rio, na noite desta quarta-feira (25), no Centro, foi marcado por novas detenções e pelo diálogo com um promotor, que antecipou a ativistas o pedido do fim da Comissão Especial de Investigação de Atos de Vandalismo (Ceiv) — confirmado pelo Ministério Público (MP) à noite.

Mais de dez pessoas foram detidas por esconder o rosto. Dentre elas, Eron Moraes Melo, que estava fantasiado de Batman e foi levado à delegacia após se recusar a tirar o disfarce. Às 20h30, ele voltou à manifestação, na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), sem a máscara, mas voltou a colocá-la, até a manifestação ser dispersada, por volta das 21h.

“Eu sabia que poderia ser detido. Fiz isso conscientemente. Expliquei na delegacia que é um protesto contra essa lei abusiva que proíbe o uso das máscaras. Ela tem que ser derrubada”, declarou Eron ao G1.
Segundo ele, os policiais o levaram a delegacia, sem violência. Ele fez um registro de ocorrência e se comprometeu a voltar para prestar esclarecimentos. Antes, ao ser levado para o camburão da PM, ele havia dito não ser contra a instituição Polícia Militar, mas sim contra “um ditador chamado Sérgio Cabral”.

Máscaras chegaram a ser distribuídas por ativistas durante o ato, que criticava também a lei que permite detenções de mascarados em protestos. Pouco antes da primeira detenção, o promotor de Justiça Paulo Wunder Alencar informou a manifestantes que o Ministério Público (MP-RJ) havia pedido a extinção da Ceiv, por considerar que o papel dela “já foi cumprido”. Por volta das 20h30, o MP enviou nota ao G1, informando que o procurador-geral de Justiça, Marfan Martins Vieira, encaminhou ofício ao governador Sérgio Cabral propondo a revogação do Decreto nº 44.305, que instituiu a Ceiv.

No documento, Marfan destacou que, após dois meses de trabalho conjunto, a comissão alcançou bons resultados e cumpriu seus objetivos. O governo do Rio já comunicou ao MPRJ que concorda com a extinção da CEIV e revogará o decreto.

Por volta de 19h, no entanto, policiais dispararam choques com a arma taser e provocaram a ira de manifestantes, que tiraram satisfações com os agentes. Em grupo, os ativistas vestiram máscaras e deixaram o clima tenso novamente. Pouco depois, os manifestantes queimaram a Constituição de 1988. “Essa constituição é queimadas todos os dias”, disse um deles enquanto ateava fogo.

Os manifestantes haviam pedido, por volta de 18h, que o subprocurador de Direitos Humanos Ertulei Laureano Matos descesse do prédio para dialogar. Paulo Wunder desceu representando Ertulei. O grupo pediu que Wunder entregasse um documento assinado pelo MP se posicionando sobre três assuntos: presos nas manifestações, a extinção da Ceiv e a mudança na legislação que proíbe o uso das máscaras.
“Não há presos políticos, há dois presos. As manifestações relacionadas a estes presos são dadas nos processos destes presos e esses processos são públicos”, disse Wunder a um dos integrantes do protesto.

Após a detenção do ‘Batman’, uma mulher que integra o movimento falou as reivindicações do grupo em voz alta. As palavras foram repetidas pelos participantes do protesto. “Esta instituição [MP] é cúmplice e conivente com as violações das leis feitas pelo estado. Seus procuradores declaram publicamente sua visão tendenciosa sobre os fatos.”

Mais cedo, por volta das 15h, alunos da Universidade da Gama Filho também fizeram um protesto no Centro. Com cartazes, o grupo questionava “MP, vai deixar a UFG acabar?”. A instituição, pertencente ao Grupo Galileo, está com as aulas suspensas desde agosto deste ano.

O ato teve início em frente ao prédio do Ministério Público, onde os alunos cantaram o Hino Nacional. Em seguida, os jovens pararam em frente ao antigo prédio do curso de Medicina da universidade, de onde seguiram pelas ruas do Centro do Rio, interditando vias e caminhando em direção ao Ministério Público Federal.

O presidente do Centro Acadêmico, Edivaldo Guimarães Júnior afirmou que a causa do protesto são problemas estruturais da universidade, que vão além do atraso do pagamento do salário dos professores.
“A mensalidade aumentou, professores das nossas principais disciplinas práticas foram demitidos, e o convênio com a Santa Casa foi desfeito, sendo substituído por outro convênio que não atinge nossas necessidades e expectativas. Vale lembrar que a Gama Filho é a maior escola de medicina do Brasil, e não conseguimos, até agora, um posicionamento do MEC que nos defenda e resguarde”.

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password