APAS: inflação desacelera em 2013

Índice calculado pela APAS/FIPE entre janeiro e dezembro de 2013 fechou em 3,34% e ficou abaixo da inflação geral do País

O Índice de Preços dos Supermercados (IPS), calculado pela APAS/FIPE registrou em dezembro alta de 0,41% em relação a novembro. Desta maneira, no acumulado do ano, de janeiro a dezembro, foi registrado elevação de 3,34%, ficando abaixo da inflação geral do País, que segundo dado divulgado pelo IBGE fechou em 5,91%. Assim, verifica-se uma desaceleração dos preços em 2013 em relação a 2012, quando naquele ano o IPS havia registrado alta anual de 10%.

A variação de 0,41% verificada em dezembro é a menor desde 2009, corroborando com as tendências já apresentadas anteriormente, de uma inflação crescente, porém em um ritmo de desaceleração em relação aos anos anteriores. Vale ressaltar que uma inflação de 3,34% sobre uma base de comparação elevada de 10% em 2012 ainda é preocupantes, mais o mais importante e, que merece destaque é a tendência de desaceleração registrada principalmente ao longo do segundo semestre de 2013.
O comportamento dos preços ao longo de 2013 apresentou grande variação e instabilidade, ocasionando altas específicas em alguns produtos em momentos pontuais e quedas menos abruptas posteriormente. Ou seja, os preços teriam tido comportamento ainda mais favoráveis não fosse à incapacidade da produção se adequar após momentos de descompasso entre oferta e demanda, causados, principalmente, por problemas climáticos. De todo modo, o segmento de Carnes, Cereais e Leite merece destaque, pois mesmo apresentando elevação de 1,65% (menor variação entre os segmentos apresentados) teve comportamento distinto ao longo do ano, entre o primeiro e segundo semestre. No primeiro semestre o segmento havia apresentando queda nos preços de 1,64%, ou seja, não fosse a disparada nos preços de Carnes, Cereais e Leite ao longo do segundo semestre os preços teriam tido um comportamento mais estável em 2013. Vale ressaltar que o segmento de Carnes, Cereais e Leite representa cerca de 23% da composição dos itens pesquisados, tendo assim, influencia relevante diante das altas verificadas ao longo dos últimos 6 meses do ano. Por outro lado, outros segmentos apresentaram inflação superior a média do IPS de 3,34%, como é o caso de bebidas alcoólicas (5,74%).

Os preços dos semielaborados (Carnes, Cereais e Leite) apresentaram alta de 1,65% em 2013, influenciados pela alta das Carnes Bovinas (2,98%), Pescados (6,82%), Leite (15,76%). Por outro lado, alguns itens apresentaram quedas expressivas ao longo de 2013, como é o caso do Arroz (-9,05%), Feijão (-24,90%).

Os preços dos produtos industrializados apresentaram alta de 4,16%, impactados pela alta nos preços de Derivados de Carne (10,37%), Panificados (11,90%), Massas (16,62%). A alta expressiva nestas categorias estão relacionados pelo aumento no preço da Carne Bovina ao longo do segundo semestre de 2013, e ainda, pela elevação no preço do trigo que encareceu a produção de Massas e Panificados.

Os preços dos produtos hortifrutigranjeiros (Produtos In Natura) registraram alta de 3,50% em 2013, impactados pela alta nos preços das Frutas (8,59%), diante das elevações em Laranja (24,99%), Banana (9,10%), Maçã (14,73%). Os legumes (alta de 4,91%) também contribuíram para a elevação dos produtos in natura com a elevação, principalmente, do preço do tomate (10,52%) – vale ressaltar que em alguns momentos o tomate, que foi grande vilão em 2013 apresentou alta acumulada de 79,36%, mas ao longo do tempo, os preços de acomodaram em um patamar menor. No caso das verduras a alta de 12,77% esteve relacionada ao aumento no preço da alface (15,40%).

As bebidas não alcoólicas registram alta de 4,44%, diante da elevação, principalmente, nos preços do refrigerante (5,90%), das bebidas isotônicas (6,41%) e da água mineral (6,42%). Os preços das bebidas alcoólicas apresentaram alta de 5,74%, diante do aumento no preço da cerveja (6,68%) e do vinho (5,38%).

Os preços dos produtos de limpeza apresentaram alta de 4,87% impactados pela elevação no preço do sabão em pó (8,91%), detergente (4,90%) e água sanitária (5,66%) e sabão em barra (-0,91%). Os artigos de higiene e beleza apontaram aumento de 0,74% impactados pela alta nos preços do desodorante (7,20%) e do shampoo (2,42%).

Em dezembro, as variações negativas estiveram presentes em 30% dos itens, de acordo com o índice de difusão (proporção das variações de preços negativas), ficando abaixo da média, que é de aproximadamente 43%. Na avaliação desde a criação do Plano Real, em 1994, o IPS/APAS apresenta variação acumulada de 148%, o IPC-FIPE tem aumento de 259% e o IPA/FGV tem variação de 504%. Assim, a evolução dos preços ao longo dos anos, aponta uma elevação mais moderada no setor supermercadista, diante de sua característica de concorrência, onde o os ganhos de eficiência e produtividade possibilitam preços mais competitivos.

O comportamento dos preços em 2013, de alta de 3,34% em relação a 2012 é favorável do ponto de vista de tendência para a inflação de alimentos e bebidas de modo geral para o ano de 2014 e 2015, exceto em casos de problemas climáticos mais graves, que afeta de maneira mais intensa as Frutas, Legumes, Verduras e Cereais. Vale ressaltar que a inflação oficial brasileira mensurada através do IPCA/IBGE aponta para uma alta nos preços de 5,91% em 2013 no Brasil e para 6,09% em São Paulo, já em alimentos e bebidas de modo geral, a alta registrada pelo IPCA/IBGE é de 8,48%. Já para 2014 a expectativa é de inflação mais moderada com tendência de alta em torno de 4,5% em relação ao ano anterior.


Nota Metodológica
O Índice de Preços dos Supermercados tem como objetivo acompanhar as variações relativas de preços praticados no setor supermercadista ao longo do tempo. O Índice de Preços dos Supermercados é composto por 225 itens pesquisados mensalmente em 6 categorias: i) Semielaborados (Carnes Bovinas, Carnes Suínas, Aves, Pescados, Leite, Cereais); ii) Industrializados (Derivados do Leite, Derivados da Carne, Panificados, Café, Achocolatado em Pó e Chás, Adoçantes, Doces, Biscoitos e Salgadinhos, Óleos, Massas, Farinha e Féculas, Condimentos e Sopa, Enlatados e Conservas, Alimentos prontos,); iii) Produto In Natura (Frutas, Legumes, Tubérculos, Ovos, Verduras); iv) Bebidas (Bebidas Alcoólicas, Bebidas Não Alcoólicas); v) Artigos de Limpeza; vi) Artigos de Higiene e Beleza. Assim, o IPS se apresenta como instrumento útil aos empresários do setor na tomada de decisões com relação a preços e custos dos mais diversos produtos. No que diz respeito à indústria, de maneira análoga, possibilita a tomada de decisão com relação a preços e custos dos produtos destinados aos supermercados. Ao mercado e aos consumidores é útil para a análise da variação de preços ao longo do tempo possibilitando o acompanhamento da evolução dos custos ao consumidor do setor supermercadista.

Sobre a APAS – A Associação Paulista de Supermercados representa o setor supermercadista no estado de São Paulo e busca integrar toda a cadeia de abastecimento. A entidade conta com 1,2 mil associados, que somam 2,7 mil lojas.

Informações sobre o trabalho da APAS: www.portalapas.org.br
Curta nossa página no Facebook: www.facebook.com/portal.apas
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/infoapas


0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password