Anjos do fogo: mantendo a calma mesmo diante de tragédias

Aplaudidos em muitas situações do dia a dia, os Policiais Militares do Corpo de Bombeiros são vistos como heróis pela população. Aqueles com os quais se pode contar a qualquer hora, em situações de perigo e desespero.
O sonho de muitos garotos e garotas é tornarem-se bombeiros para ajudar a salvar pessoas. Mas não é uma missão fácil e exige forma física, habilidade, muito treinamento, empenho e trabalho duro para estar preparado para enfrentar situações de tensão em que terá que manter a calma mesmo diante de tragédias e mortes.
O Corpo de Bombeiros mantém plantão 24 horas, pois nunca se sabe em que momento o trabalho deles será necessário e a que hora alguém ligará para a emergência, através do número 193, pedindo socorro. E quando isso acontece, os “anjos do fogo” acionam as sirenes, na tentativa de chegar o mais rápido possível e ajudar pessoas, salvando mais vidas.

Aplaudidos em muitas situações do dia a dia, os Policiais Militares do Corpo de Bombeiros são vistos como heróis pela população. Aqueles com os quais se pode contar a qualquer hora, em situações de perigo e desespero.
O sonho de muitos garotos e garotas é tornarem-se bombeiros para ajudar a salvar pessoas. Mas não é uma missão fácil e exige forma física, habilidade, muito treinamento, empenho e trabalho duro para estar preparado para enfrentar situações de tensão em que terá que manter a calma mesmo diante de tragédias e mortes.
O Corpo de Bombeiros mantém plantão 24 horas, pois nunca se sabe em que momento o trabalho deles será necessário e a que hora alguém ligará para a emergência, através do número 193, pedindo socorro. E quando isso acontece, os “anjos do fogo” acionam as sirenes, na tentativa de chegar o mais rápido possível e ajudar pessoas, salvando mais vidas.
Os bombeiros, além de atenderem ocorrências de incêndios em geral, atuam em ocorrências de resgates e salvamentos.
No ano de 2012, foram registrados em geral 162 incêndios, nessas ocorrências, os bombeiros atuam mais em incêndios em terrenos baldios e residências. Já em ocorrências de resgates, os Policiais Militares do Corpo de Bombeiros, no ano passado, atenderam 777 ocorrências, em que são acidentes de trânsito, acidentes de moto, quedas acidentais e atropelamentos.
Em 2012 ainda, os bombeiros atuaram em ocorrências de salvamento, em que envolvem animais, vistorias em locais de risco, árvores e afogamentos, foram registradas 294 ocorrências.
Devido ao sistema técnico do Corpo de Bombeiros, o Diário não conseguiu adquirir as estatísticas de ocorrências registradas neste ano.
Em Votuporanga, o quartel da Polícia Militar do Corpo de Bombeiros conta atualmente com 30 bombeiros, trabalhando em um turno de 24 horas e descansando 48 horas. Já o tenente Alex Brito de Moura não tem hora para trabalhar, ele está pronto para atender as ocorrências de porte mais grave.
O tenente Alex Brito, em entrevista exclusiva ao Diário, relatou que a base de Votuporanga atende 14 municípios da região de Votuporanga, entre eles: Álvares Florence, Américo de Campos, Cardoso, Parisi, Pontes Gestal, Riolândia, Valentim Gentil, Magda, Floreal, Monções, Macaubal, Sebastianópolis do Sul, Nhandeara e Votuporanga.
Segundo o tenente Brito, os bombeiros geralmente atendem ocorrências de alto risco. As ocorrências mais marcantes para o tenente são as que envolvem mortes, principalmente de crianças. Para ele, a mais marcante ocorreu no ano passado, na região de Catanduva. “Fui numa ocorrência de acidente de trânsito, era uma colisão frontal entre um veículo e uma árvore. A mãe estava dirigindo, e no banco da frente estava o filho de 12 anos sem cinto, no banco de trás estava uma menina de seis anos e um menino de dois anos. Com o impacto da colisão, o filho que estava no banco da frente sem o cinto de segurança foi lançado para o banco traseiro, ficando no assoalho do carro, fraturou a cervical e teve parada cardiorrespiratória. A menina de seis anos estava presa ao cinto, desacordada e saindo sangue de sua boca e de seu ouvido. A mãe ficou presa ao volante, com a cabeça esmagada e desacordada também. A única vítima que sobreviveu foi a criança de dois anos que estava na cadeira de bebê com um ferimento profundo na área superior da face, mas estava acordada vendo a cena da família morta, chamando pela mãe. Nós fomos os primeiros a chegar ao local, em seguida o pai que morava nas proximidades do local chegou e quando viu a cena, começou a chorar”, declarou.
Já as ocorrências mais graves que o tenente já atendeu foram incêndios em favelas, na época em que trabalhava em São Paulo.
O tenente que está no Corpo de Bombeiros de Votuporanga desde dezembro de 2010, completará três anos no mês que vem e relatou como foi o processo até chegar ao cargo de tenente. “Com 18 anos prestei vestibular da Fuvest (Fundação Universitária para o Vestibular) para a APMBB (Academia da Polícia Militar do Barro Branco), em seguida estudei por quatro anos em um internato, me formei em 2002 e fui trabalhar na zona leste de São Paulo, em Tiradentes, onde permaneci por dois anos comandando o pelotão policial nas ruas. Em 2005 fui comandar o pelotão em Cardoso e Riolândia – na época estavam tendo as rebeliões no presídio de Riolândia. De 2006 à 2008 comecei a comandar o pelotão em Votuporanga. Já em 2009 prestei concurso interno para o Corpo de Bombeiros, onde realizei provas físicas, habilidades de altura, natação, e etc. Em seguida fiquei um ano estudando em Franco da Rocha – SP, na escola do Corpo de Bombeiros, onde me formei e fui para Birigui – SP, permaneci lá por um ano e de lá vim para Votuporanga novamente, onde estou até hoje”.
O processo desde que os bombeiros são acionados através do telefone 193 – onde as ligações são triadas pelo atendente do telefone emergencial, começa posteriormente, quando acionam a viatura especificada para cada atendimento através de sistema de som e luzes.
Atualmente, existem seis viaturas no quartel do corpo de bombeiros, sendo quatro operacionais e duas para serviços administrativos.
O que é muito comum acontecer via telefone são os trotes, porém, sem o despacho de viaturas, devido à triagem que é feita no momento da ligação. Para o tenente, existem dois tipos de trotes: os criminosos e os feitos por crianças. “Os criminosos são realizados por pessoas maldosas, que falam com calma e passam detalhes até demais para nós. Já os trotes de crianças são facilmente identificáveis, e geralmente acontecem em horários que elas estão em intervalo ou na saída da escola. Quando isso acontece, a gente entra em contato novamente com o número registrado na nossa bina telefônica, e avisamos a criança que contaremos aos seus pais sobre o trote”, relata o tenente.
Brito relatou exclusivamente ao Diário sobre um trote que ele e sua equipe atenderam no dia 1 de abril do ano passado, “recebemos uma ligação informando que havia acontecido um grave acidente na rodovia Péricles Bellini, próximo à Cardoso. A pessoa passou muito detalhes e disse que um carro havia caído numa ribanceira e ficamos a noite inteira procurando. Isso é crime e pode atrapalhar nosso trabalho, os trotes aos serviços públicos de emergência causam não apenas transtornos, mas comprometem muitas vezes a vida de vítimas em situação real de risco”.
O tenente relatou que nesses três anos que ele está na base de Votuporanga, houve bastantes conquistas com o apoio da Febom (Fundo Especial dos Bombeiros), representantes do Executivo, do Legislativo, Associação Comercial e Associação Industrial. “Esses apoios junto com o Corpo de Bombeiros buscam soluções com melhorias de serviços de emergências nos municípios, entre elas: aprovação da contribuição espontânea junto ao IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), aquisição de novas viaturas e equipamentos, construção da nossa nova sede e construção do nosso Centro de Treinamento Aquático. Nossas conquistas são sempre através de parcerias com empresários, Ministério Público, Poder Judiciário, Justiça do Trabalho, Prefeitura de Votuporanga e do Estado”.
De acordo com Brito, o Corpo de Bombeiros de Votuporanga é bastante disputado, “existem vários bombeiros da nossa região que querem vir trabalhar na nossa sede, que moram em Votuporanga ou aqui perto e trabalham longe. O nosso efetivo é de 100% de Votuporanga, ou seja, todos moram no município, são pessoas comprometidas e muito profissionais”.
Por fim, o tenente declara que hoje, grande parte do serviço é destinada em emergências técnicas como vistorias em edificações e áreas de risco, visando eliminar qualquer tipo de incêndio que possa ocorrer. Os bombeiros também palestram em escolas, grupos, entidades, visando principalmente à prevenção para que não haja ocorrências futuras.

 

Paola Munhoz – Diário de Votuporanga

0 Comentários

Deixe um Comentário

Login

Bem vindo! Faça login na sua conta

Lembre de mim Perdeu sua senha?

Lost Password