Publicado: qua, jan 10th, 2018

Santa Casa orienta sobre a dengue, zika e chikungunya

Engenheiro Renato Parminondi dá dicas de como manter o mosquito Aedes Aegypti longe de sua casa e de sua família

 

Prevenir é a melhor forma de evitar a dengue, zika e chikungunya. A maior parte dos focos do mosquito Aedes Aegypti está nos domicílios, assim as medidas preventivas envolvem o quintal do morador e também os dos vizinhos.  O combate deve ser ainda maior no verão, período que requer cuidados em decorrência da chuva irregular e temperatura alta propícios para a proliferação do mosquito.
Com objetivo de orientar sobre os cuidados nas residências e no trabalho, a Santa Casa de Votuporanga convidou o engenheiro Renato Parminondi para o programa Dica de Saúde, apresentado na rede social na quarta-feira (10/1).
Renato pediu atenção redobrada nos telhados. “Folhas de árvores entupidas em calhas podem gerar a dengue. Por isso, a manutenção deve ser geral e frequente”, contou.
Além disso, caixas d’água, latas, pneus, cacos de vidro, vasos de plantas podem acumular água e aumentar a proliferação do mosquito transmissor. “Precisamos evitar recipientes abertos expostos à chuva”, disse.
O engenheiro ressaltou que os moradores precisam revisar a estrutura dos locais. “Nós, da Santa Casa, redobramos os cuidados nesta época, especialmente no telhado. Mas esta tarefa é de todos. Todos devem estar atentos aos criadouros do mosquito Aedes aegypti, para não deixá-lo nascer. Esse cuidado também deve ser adotado no ambiente de trabalho, nas empresas, lojas, enfim, pensando na saúde”, concluiu.

Mais cuidados:
- Tampe os tonéis e caixa d’água;
-  Mantenha as calhas sempre limpas;
 - Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
 - Mantenha lixeiras bem tampadas;
 - Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
 - Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;
 - Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;
 - Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa

Como eliminar os focos
- Lavar as bordas dos recipientes que acumulam água com sabão e escova/bucha;
- Jogar as larvas na terra ou no chão seco;
- Para grandes depósitos de água e outros reservatórios de água para consumo humano é necessária a presença de agente de saúde para aplicação do larvicida;
- Em recipientes com larvas onde não é possível eliminar ou dar a destinação adequada, colocar produtos de limpeza (sabão em pó, detergente, desinfetante e cloro de piscina) e inspecionar semanalmente o recipiente, desde que a água não seja destinada a consumo humano ou animal. Importante solicitar a presença de agente de saúde para realizar o tratamento com larvicida.