Publicado: qua, abr 19th, 2017

Advogado abandona Tribunal e júri é adiado

O Tribunal do Júri de José Lopes de Almeida, acusado de participar do assassinado do taxista Marcus Vinicius Roselem, morto aos 31 anos, em 2001, em Cedral, foi novamente adiado, na tarde desta terça-feira, dia 18. Essa é a quarta vez que isso acontece e o crime continua há 16 anos sem uma condenação ou absolvição.

Desta vez, a dez minutos para o fim do julgamento, o advogado de defesa, Airton Jorge Sarchis, abandonou o tribunal, portanto o juiz Cristiano Mikhail não pôde prosseguir o júri. Ele deu prazo de cinco dias para o acusado apresentar novo advogado, caso contrário irá nomear um defensor público e marcar nova data.

Por conta da demora até o julgamento Joaquim Conceição da Silva, acusado de ter matado o taxista com três tiros na cabeça, teve sua pena extinta porque já tem mais de 70 anos. Em 2001, ano do crime, ele tinha 64 anos.

De acordo com a denúncia, Joaquim contratou José Lopes para levar Marcus Vinicius até a zona rural de Cedral, onde mataria a vítima. “Já são 16 anos de espera. Vamos até o final porque queremos justiça”, afirmou Marilene das Graças Roselem, irmã da vítima. A reportagem tentou contato com o advogado Airton Jorge Sarchis, mas ele não atendeu aos telefonemas.

Elton Rodrigues – diarioweb.com.br