Publicado: seg, jan 9th, 2017

Adolescentes e pessoas que vivem com HIV contam com novo esquema de vacinação

O ano de 2017 começou com algumas mudanças no calendário de vacinação. A partir de agora os adolescentes de 12 e 13 anos receberão em dose única a vacina contra a meningite C, além disso, garotos de 12 e 13 anos serão incluídos pela Secretaria Municipal de Saúde na rotina de vacinação contra o HPV (papiloma vírus humano). Em Votuporanga, a meta é vacinar 80% de um total de 2.414 adolescentes nesta faixa de idade.

A recomendação para imunização contra o HPV vale também para homens e mulheres que vivem com HIV. Ambas vacinas já estão disponibilizadas gratuitamente e podem ser tomadas em qualquer um dos Consultórios Municipais, de segunda à sexta-feira, das 7h às 17h.

 

Com a inclusão dos meninos na vacinação do HPV, o Ministério da Saúde espera proteger e prevenir os meninos contra os cânceres de ânus, pênis e gargantas. A enfermeira responsável pelo setor de imunização da Secretaria de Saúde, Danieli Fortilli, explica que assim como as meninas, o esquema de vacinação contra o HPV em meninos ocorre também em duas doses com intervalo de seis meses. Para os homens de 14 a 26 anos e mulheres entre 9 e 26 anos que vivem com HIV esquema vacinal é diferenciado. “São administradas três doses. A segunda dose deve ser aplicada dois meses depois da primeira e, a terceira, seis meses após a primeira”, esclarece.

 

É importante destacar que a vacina que protege contra o HPV é destinada exclusivamente à utilização preventiva e não tem efeito na doença clínica estabelecida ou nas infecções pré-existentes. “O HPV é altamente contagioso, e a transmissão acontece principalmente pelo contato sexual”, justifica a enfermeira.

 

Meningite C

A partir de agora a vacina contra a meningite (meningocóccica C) terá a oferta ampliada com a imunização de adolescentes de 12 e 13 anos de idade. Até 2016, a vacina contra a meningite C estava disponível apenas para crianças entre três meses e quatro anos. A meningite C é o tipo de doença mais comum no Brasil e apresenta rápida evolução, gravidade e letalidade, com potencial epidêmico. “A ampliação na oferta tem o intuito de reforçar o efeito da vacina aplicada na infância”, diz Danieli.

 

A vacina contra o HPV para meninos e a meningocócicca C tem público com a mesma faixa de idade, para tanto, a Secretaria de Saúde deverá trabalhar com ambas concomitantemente.