Publicado: ter, ago 30th, 2016

Um novo olhar para o futuro no interior de SP: DR. SINVAL MALHEIROS

Um projeto que nasceu na década de 50 ganhou, literalmente, um novo olhar e se transformou em grande exemplo de gestão e de dedicação ao próximo. Esse texto tem o claro objetivo de se apresentar como um verdadeiro convite para que todos conheçam e apoiem o IDVC – Instituto dos Deficientes Visuais, localizado na cidade de Catanduva, e que hoje é referência para mais de 100 municípios de toda a região Noroeste paulista.
O Instituto tem uma história que remonta a década de 1950, quando pessoas com deficiências visuais eram chamadas simplesmente de “cegos” e sofriam com o preconceito e a falta de estrutura de um Brasil que ignorava e subestimava esse público.
Naquela época, o fazendeiro Joaquim Jorge Estevan, que havia se curado de uma grave infecção ocular que quase lhe comprometeu a visão, em agradecimento à graça alcançada, doou 3.400m2 para a instalação do então “Instituto dos Cegos”, tendo, inclusive, colaborado com a construção, ao lado de figuras importantes da comunidade que colaboraram com arrecadação de recursos através de campanhas e donativos anônimos.
No dia 17 de julho de 1956 o “Instituto” foi inaugurado, em forma de abrigo para os deficientes visuais, que viviam em regime de internato. No entanto, em 2005 foi publicado decreto informando que os deficientes não poderiam mais permanecer nesse regime. Cada um teve de voltar para sua família ou seu lugar de origem.

O instituto, então ficou fechado durante 10 longos anos.
Mas uma luz surgiu na escuridão. Em 19 de julho de 2014 veio a tão sonhada reinauguração, desta vez com modernas instalações e não mais no regime de internato. A Loja Maçônica “Dr. Carlos Reis” No. 29 assumiu o controle e a direção da instituição. Um novo nome surgiu: IDVC – Instituto dos Deficientes Visuais de Catanduva.
O antigo prédio foi totalmente remodelado e adaptado à nova conscientização e regras que regem os projetos ligados a deficientes físicos. Sua estrutura foi modernizada e adaptada para atender as necessidades especiais dos deficientes visuais totais e de baixa visão. Equipamentos com tecnologia de ponta foram adquiridos para oferecer o que há de melhor na capacitação, formação, informação e treinamento de alunos.
A atual diretoria, que tem Marcelo Fernandes Santos na presidência, busca esse constante aperfeiçoamento nas instalações, nos equipamentos e nos serviços oferecidos. Os alunos frequentam o instituto das 07h30 às 17h00, de segunda à sexta-feira. Contam com a retaguarda de uma bem treinada equipe de profissionais que inclui Psicólogas, Assistentes Sociais e Pedagogas.
Diariamente são oferecidas aulas nas oficinas de arte, coral, dança e artesanato, que promovem o aprimoramento e desenvolvimento de habilidades significativas para a evolução do aluno. Os alunos, também, participam das aulas de xadrez, aula de informática com software com de digitação, Dosvox, e têm à disposição ampla biblioteca com livros infantis e adultos, revista Veja falada, audiolivros, além das máquinas em Braille, e equipamento para baixa visão, como a lupa eletrônica, conhecida como Mouse Lupa.
No IDVC também são oferecidas três refeições: Café da Manhã, Almoço e Café da Tarde. Tudo sem nenhum custo aos beneficiados!
Nesse olhar para o futuro, também é importante destacar os nomes que construíram o passado de muita excelência do IDVC. São considerados Presidentes de Honra: Monsenhor Albino, José Antonio Borelli, João Caparroz e Valdir Vayego. Cito ainda – e parabenizo – os presidentes da Instituição desde sua fundação: Alberto Canonici, Joaquim Jorge Estevan, Manoel de Freitas Filho, Dr. Alberto Avelino da Cunha e Silva, Dr. Boris Steinbruch, Vicente Sanches, Theodoro Rosa Filho, Waldyr Vayego, Roberto Jorge, José Luiz Dela Libera, João Carlos Chiodini, Miguel Monteleone, Sérgio Loma, Francisco Assis Lopes, Manoel Costa, José Roberto Righeti Filho, Éder José da Silva Gonçalves, José Bambachte, João Pedro Gomieri, Paulo César Gonçalves do Carmo, João Martinez Pereira, João Barbosa Pereira, Pedro Nechar, Walfredo Trassi Salomão, Aniz Bauab, Antonio Francisco Giglio, Gilberto Audi da Cruz, Victor Paschoal Vanni, Francisco Lopes e o atual presidente Marcelo Fernandes Santos.
* O autor, Dr. Sinval Malheiros, é médico e deputado federal pelo PTN-SP